O dia em que coloquei todo mundo pra meditar

Nesta tarde tudo estava dando errado. Sabe quando acumula? O bilhete importante da escola do Simon sumiu, a Lea pegou uma virose, o prédio estava sem água quente, a porquinha da índia estava com dermatite, o bolo queimou (feio. Saiu fumaça e tudo).

Os três estavam brigando loucamente (pelo lugar no sofá, pelo pop it em formato de sorvete, porque ele esbarrou o pé no ombro dela). Sabe, esse dia?

Caos total!!

Quanto mais eu pedia “Parem crianças” mais eles entendiam “Continuem crianças”, e seguiam escalando o estresse loucamente até beirar o insuportável.

Eu sabia que tinha duas opções: ignorar e esperar eles se virarem sozinhos (as vezes funciona mas me gera um pouco de ansiedade) ou agir. Optei pelo agir (o ignorar envolve comer muito chocolate)

Então fui até o quarto e peguei uma vela linda com aroma de lavanda, com os dizeres Calm Mystery. Sentiu a vibe? Comprei numa promoção e nunca usei. Lembro de ter escolhido a vela na prateleira da loja e pensando “Quero ser essa pessoa zen que faz meditação, acende vela e transcende a realidade”

Era disso que meus filhos estavam precisando. Transcender aquela realidade estreita e míope onde todo mundo culpa todo mundo por tudo, choram, brigam, reclamam, gritam e explodem. Enxergar mais longe.

Então volto até a sala e peço, na minha voz general:

Mãe general em ação!!

A mãe general é beeem mais firme e brava. Mas veja bem, ela não grita histericamente. Não. Ela fala de forma assertiva, ponderada, direta. (Funciona que é uma beleza!) A mãe general é uma pessoa madura e decidida, que sabe o que quer e se comunica com excelência. 

Curiosos (e com um quê de respeito pela mãe general), eles obedecem NA HORA.

No quarto, eu já havia acendido a vela e ligado o celular numa música de cachoeira zen. Manja? Umas flautas relaxantes, uma água que cai. Fico calma só de lembrar.

E então peço, com a voz mais suave:

EU: “Crianças, sentem-se aqui por favor. Cruzem as pernas e olhem a vela um pouco, respirando bem devagar. Nós vamos fazer uma sessãozinha de meditação, porque olha, vocês estão sem condições.”

No primeiro momento eles começam a me zoar. Respiram alto, fingem que estão roncando, engasgando. Fazem sons de pum. Simon simula um ataque respiratório, Stella morre de rir. (Bom, pelo menos estão se entendendo.)

Aguardo, quieta. Eles zoando e brincando com a vela, e eu só esperando, sentada, respirando. Gandhi em ação, tentando passar um espírito de paz, tranquilidade e sanidade mental (foi difícil, palmas pra mim)

Então começo a dizer, numa voz beeeem calma. A própria Monja Coen:

EU: “Sabe, cada um de vocês tem aí dentro um pulmão que trabalha o dia inteirinho pra vocês poderem fazer as suas coisas. Respirem devagar que vocês vão senti-lo.”

Mais barulho de ronco, mais zoeira, mas eu continuo firme e forte, na minha voz pacífica:

EU: “Sintam o quanto o pulmão de vocês pode ficar vazio. Expirem esse ar que está velho aí dentro, que provavelmente foi hoje de manhã pra ir com vocês na escola, e não saiu até agora, porque a gente não respira de verdade durante o dia. Esvaziem tudo, e depois preencham com um pouco de ar novo e fresco.”

Nessa hora eles começam a prestar um pouco de atenção. A zoeira diminui, meu filho puxa o ar, provavelmente preocupado com a qualidade do ar em seu pulmão. As meninas olham para mim em silêncio, atentas.

Continuo:

“Agora aproveitem e tentem sentir o coração de vocês. Coração que pulsa o sangue por toooodo o corpinho de vocês. É por causa dele também que vocês conseguem brincar na escola, comer, caminhar, fazer as coisas que vocês gostam.”

Agora o silêncio é total. Quer dizer, só escutamos as flautas indígenas e os sons da natureza. (E uns carros do lado de fora da janela. São paulo, né, gente). Mas há uma aura de paz, harmonia… uma conexão que se instaurou entre nós. Como se nós quatro estivéssemos 100% presentes ali. De corpo, alma, mente, espírito.

Os três estão de olhos fechados, respirando em silêncio. 


Não sei se é isso que chamam de meditação. Ou de atenção plena.

Estou um pouco chocada. Fomos do caos à paz em minutos. Mas não demonstro nada! Finjo normalidade e sigo o baile. Continuo falando um pouco mais sobre as partes do corpo incrível que eles tem. As mãos, que servem pra tanta coisa. E os pés. E a língua. E os olhos, e o nariz. 

E então paro de falar. Espero algum deles fazer alguma piada sobre para que servem certas outras partes do corpo, mas ninguém faz. Eles seguem em silêncio absoluto, cada um com os próprios pensamentos – sei lá quais.

Nessa hora o Dani chega em casa e abre a porta do quarto. Ele olha a cena como se tivesse entrado na casa errada, ou como se eu tivesse ficado louca. Sinalizo pra ele que sou eu mesma, e que não estou louca, só, bom, zen. O que é uma coisa realmente inédita, mas tudo bem. 

Ele continua com os olhos esbugalhados mas entra na onda. Senta entre as crianças, fecha os olhos e ali fica.

Permanecemos desse jeito até me dar vontade de fazer xixi e eu ter que levantar e interromper o momento (corta clima total – mas em minha defesa, eu já estava com vontade de fazer xixi desde que sentei. O problema é que o xixi das mães sempre fica entre as últimas prioridades da lista.)

Quando volto do banheiro todos já estão de volta a sala, brincando, como se nada tivesse acontecido. Mas algo aconteceu. Naquela noite ninguém mais brigou. E nem no dia seguinte. Eles se trataram com mais intimidade, mais afeto… Como se… se respeitassem mais. Sei lá. A si mesmos e um ao outro.

Tudo bem, no outro dia já estavam de volta à vida normal, brincando, brigando e discutindo. Talvez devêssemos começar a meditar todos os dias? De repente depois do banho….

Acho que preciso comprar mais velas.

One thought on “O dia em que coloquei todo mundo pra meditar

Leave a Reply to Esther Cohen Cancel reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s