0

Das coisas que são subestimadas na maternidade

Durante essas semanas de quarentena tenho enlouquecido em casa acompanhado um pouco como as minhas amigas com filhos estão conseguindo se virar com as crianças em casa.

Tem as mães super animadas, com programação e brincadeiras o dia todo.

Tem as que fizeram horários completos com rotina, hora das artes, da educação física, hora de culinária, hora da história.

Tem as que liberam TV o dia todo.

E as que desencanaram TOTALMENTE das aulas online.

Tem as que se trancam no banheiro com o celular por uma hora todos os dias – o famoso isolamento no isolamento – para assistir netflix em paz.

E tem as que saem para caminhar sozinhas no fim do dia ouvindo música para não chorar enlouquecer.

Cada uma está lidando do jeito possível, e é lindo de ver.

Tenho muito orgulho delas.

Então, tendo em vista os depoimentos de todas, fiquei pensando que o mundo às vezes subestima muito nosso trabalho como mãe. Em vários sentidos. Cara, ser mãe é difícil e maravilhoso pra caramba. E é óbvio que a gente merece todos os dias no ano, não apenas o segundo domingo do mês maio.

Coisas que o mundo subestima no trabalho de ser mãe:

1- Pôr as crianças para dormir.

Parece uma tarefa simples, né? Angelical, até.

Veja como a hora de dormir é retratada nos filmes, por exemplo. A criança já está na cama – num quarto todo organizado, diga-se de passagem –  prontinha, de pijama e dentes escovados, numa paz que a gente só vê em filme mesmo. Aguardando pacientemente o pai/mãe entrar no quarto para dar um beijo de boa noite. Contar uma historinha rápida. Como se fosse uma tarefa que ocupa no 5 minutos – 10 no máximo – de puro amor e harmonia.

E aí o que acontece? A criança sempre cai num sono profundo no meio da leitura.

AHAM. Sei.

Só que na vida real, não é bem assim que acontece. Sabe quem acaba dormindo no meio da história, em 90% dos casos?

Nós mesmas.

Porque as crianças se recusam veementemente a perder o precioso tempo da vidinha deles fazendo algo tão chato como dormir. Enquanto a gente, adultos, já aprendeu a amar este momento com todas as nossas forças.

2- Parto e gravidez

Esse item dispensa comentários.

Só gostaria de fazer uma ressalva: existe uma expressão muito comum na nossa língua portuguesa, que é “foi um parto”

É muito comum as pessoas usarem ela para se referir a coisas que foram muito difíceis de acontecer. Eu mesma já me peguei usando-a várias vezes. Por exemplo:

Sei que fazer um papel sair de uma impressora parece difícil, mágico até – (elas costumam dificultar muito a nossa vida às vezes) mas imagina fazer um bebê sair de dentro de um ser humano?

Isso sim é um parto.

3- HOMESCHOOLING

Tiro o chapéu para todas as mães ao redor do planeta que efetivamente optam por este sistema de educação em casa por livre e espontânea vontade. A quarentena me abriu os olhos para essa realidade que eu ainda não conhecia, e eu só tenho isso a dizer:

Vocês são heroínas. Um exemplo de amor paciência e dedicação.

Quando eu crescer quero ser igual vocês.

4- Dar janta TODOS OS DIAS, de DOMINGO A DOMINGO.

Haja criatividade, paciência e amor à gastronomia para inventar jantares nutritivos, saborosos e coloridos todos os dias, quando na verdade tudo o que eles gostariam de comer é sorvete, pipoca e pizza.

Não é fácil.

Força, guerreiras.

5-  Privação de sono.

Lembro quando eu estava grávida do meu primeiro filho e uma garotinha linguaruda de uns quinze anos olhou para mim e disse: “Nossa, se prepara, você NUNCA MAIS VAI DORMIR”. Lembro de ter ficado IRADA com esse comentário negativo (dica: jamais diga a uma gravida que ela nunca mais vai dormir) e pensado “Oras, o que ela sabe do assunto? Ela ainda está no colegial!”

Bom, sinto informar que ela tinha razão. Pelo menos por um tempo.

Eu não fazia ideia do que era estar esgotada, até virar mãe. Sabe do que eu estou falando?

Imagina aquele dia que você está exausta depois de um dia cheio de trabalho, ou depois de uma festa badalada que você só quer saber de chegar em casa e se jogar na cama. Enfim, não sei o que te deixa cansado. Mas imagina você nesse estado, finalmente encostando a cabeça no travesseiro, sentindo o corpo relaxar, suspirando de alívio e pensando “Que delícia! Graças ao céus!”

E aí BEM NESSE SEGUNDO, seu celular começa a tocar e você é solicitado com urgência na empresa.

E não tem opção, senão ir.

A sensação é essa, por vários e vários dias consecutivos.

Privação de sono pode enlouquecer uma pessoa. É sério. Eu mesma não sei se não sou assim hoje por causa de todas as horas perdidas e ainda não recuperadas de sono.

6- Vê-los crescendo.

Esse é o mais subestimado de todos. E o mais difícil.

Ver eles crescendo é lindo. É poético. É maravilhoso.

Mas é f*** difícil pra caramba.

Mas é lindo.

Mas difícil.

 

Feliz dia das mães! Vocês são incríveis.

2

Os fantasmas vieram para o chá

Vamos deixar essa corona-pane de lado um pouco, e focar por um breve momento na mente dócil e completamente alheia aos problemas da vida real de minha pequena de três anos?

Eu estava dormindo. (Quem é mãe sabe a emoção que é este momento do dia.)

Dormia gostoso na minha cama, com meu edredom. Quando de repente, não mais que de repente, senti o corpinho quentinho da minha pequena de três anos entrando do meu lado e se aninhando em mim.

Tentei relutar, mas estava tão gostoso.

E eu estava tão cansada.

“DESENCANA”, pensei.

Abracei ela e voltei a fechar os olhos.

Nada contra quem faz o uso de cama compartilhada, sério. Cada um com suas escolhas!! Mas durante a noite eu particularmente prefiro que eles durmam em suas respectivas camas, por motivos de:

 

Bom, naturalmente, na manhã seguinte acordei quebrada e falei pra mim mesma: Débora, aprende de uma vez que isso não dá certo com você.

O problema foi que naquela noite ela veio, de novo.

Dessa vez eu estava preparada… Despertei, determinada. Peguei ela no colo e a levei para sua própria cama. Fiquei ali um pouco, um zumbi total, e quando senti que dava para dar aquela fugida ninja do quarto, voltei pra minha cama.

Deu certo.

No dia seguinte, perguntei por que ela havia acordado à noite de novo.

ELA: Porque eu estou com medo.

Medo?? De quê, eu perguntei.

Dos fantasmas, ela disse.

Ah, que amor!! Acho que todos passam por isso em algum momento.

EU: Mas filha, não tem fantasma…

FILHA, ultrajada: Tem sim!!

E eu lá vou discutir com a doce imaginação de uma menina de três anos?? Não, né?

EU (me achando esperta): Mas eu mando todos embora quando te coloco pra dormir, meu amor.

Sei…

EU: Então o que você quer fazer? Quer mandar eles para o quarto do seu irmão?

(Notem que sou uma mãe extremamente madura. Parabéns pra mim.)

FILHA, pensativa: Não vai dar certo… eles vão voltar mesmo assim, porque eles gostam de mim.

(Oras, pelo menos em matéria de auto estima estamos indo bem!!)

EU: Já sei, então vamos fazer um cantinho para eles? Uma caminha, com cobertor, travesseiro? Aí eles vão saber que é pra ir pra lá.

(tradução: To topando qualquer coisa pra você perder o medo, dormir tranquila e não me acordar mais a noite)

FILHA (considerando a ideia): E colocar lá no quarto do meu irmão?

EU (ops!!): Sim!!

FILHA (super empolgada): Vamos!!!

Dito e feito.

Pegamos a caminha de bonecas dela, forramos com o lençol de boneca e cobertor. Improvisei um travesseirinho. Depois, ela pediu para fazermos um desenho com uma placa explicative e me disse:

FILHA: Pra eles saberem que aqui é a caminha deles mamãe.

EU: Claro filha, acho importante, senão eles se perdem, né? Já pensou? Vamos fazer um desenho BEM LINDO!!!.

Fazemos o desenho.

EU: Pronto! Está bom assim?

Graças aos céus.

Porém, passam alguns instantes e…

FILHA: Mas mãe…. falta a comidinha!!!!

Ah, beleza.

Vou até a caixa de comidinhas de brinquedo e começo a separar um bolo de mentirinha, uma xícara de chá da Ariel, de repente uma maçã de plástico… Planejo um lanche completo e nutritivo para os nossos visitantes.

Mas não é suficiente para ela.

FILHA, indignada: MÃE!!! Tem que ser comida de verdade!!!

EU: Ah jura?? Ok! O que você quer dar? Fala pra mamãe.

(tradução: To topando qualquer coisa pra você perder o medo, dormir tranquila e não me acordar a noite)

FILHA: Arroz com franguinho.

EU, incerta: OK!

FILHA: No prato da Peppa. Ele gosta da Peppa.

Então fomos de Peppa mesmo.

 

Resumindo:

Tem uma caminha de boneca super aconchegante, com um desenho de fantasmas e e um pratinho da Peppa com arroz e frango à milanesa cortado em cubinhos especialmente para a família de fantasmas. Dentro do quarto do meu filho de dez anos.

 

Resultado:

Essa noite ela dormiu feliz e não acordou durante a noite.

 

Problema:

A comida é perecível e não pode ficar lá, parada. Vou ter de trocar.

 

Mas vamos que vamos!! Quarentena sem fantasmas já está valendo.

1

CoronaPane

Sempre tive este blog como um lugar para falar sobre a maternidade de um jeito honesto, leve, otimista (olá mamães em puerpério!! Juro que passa!). É um lugar que recorro quando quero escrever livremente, comentar causos da vida de mãe, etc.

Mas hoje… eu sentei aqui no computador e, olha, honestamente, só consigo pensar em: corona vírus, corona vírus, corona vírus, pandemia, surto apocalíptico, loucura, economia mundial, escolas fechadas, pane.

Porque… bom, está complicada essa situação apocalíptica, sem prazo para acabar.

Eu não sei como você aí do outro lado da tela está se sentindo, mas eu, do lado de cá, estou mais perdida que agulha no palheiro. Sem muita perspectiva sobre o futuro, andando de um lado para o outro feito barata tonta, comendo a casa inteira enquanto tento manter um nível mínimo de normalidade na rotina das crianças, do trabalho e da casa, e, é claro, a sanidade mental de todos.

Está fácil, Brasil. Aliás, mundo.

O que falar para as crianças nesse momento, quando nem a gente que é adulto entende direito o que está acontecendo e tudo muda a cada segundo?

Explicar sobre o bichinho que se espalha, sobre a importância de lavar bem as mãos, usar o álcool 70% e não tocar/respirar/abraçar/beijar/morder o amiguinho, já era. Tudo isso é coisa de 10 dias atrás. Agora, nem amiguinho tem mais.

Agora o buraco é beeem mais embaixo…

Dependendo da idade, não tem muito o que falar. Por exemplo, minha filha de três anos segue feliz e saltitante, completamente alheia aos últimos acontecimentos do mundo. O maior problema da vida dela é vestir a meia da patrulha canina depois do banho e tomar suco no copo da Minnie com canudo rosa.

Mas os grandes… já se inteiraram de que há algo mais errado do que uma simples gripe. Depois de dois dias detidos em casa, sem aulas, nem poder ver os amigos, minha filha de 7 anos escreveu um conto chamado “Coronavirus” (onde há uma epidemia mas tudo acaba bem quando a protagonista (Bia, se chama) acorda e descobre que tudo não passou de um sonho – já pensou??).

Meu filho de 10 tem pesquisado exaustivamente sobre as maiores pandemias que já assolaram a humanidade.

Estou amando, é super animador:

Aguenta coração.

Eles me perguntam sobre a crise. Me perguntam quando a escola vai abrir de novo. Quando eles vão poder sair para passear.

Se é verdade que a comida do mundo vai acabar. Por quê cancelaram a festinha do David.

Hoje, minha filha veio me perguntar se o bisavô vai ficar bem.

Suspirei fundo e disse que sim, para eles não se preocuparem que vai ficar tudo bem.

Porém, eles são insistentes.

Eu tive vontade de falar, EU NÃO SEI. EU QUERIA MUITO SABER! EU QUERIA DIZER QUE É TUDO UMA PEGADINHA DO FAUSTÃO (o que seria estúpido porque eles não fazem ideia de quem é Faustão)

Mas enfim, não posso responder isso né? Então eu só suspirei e disse, sem pensar muito:

EU: Vai ficar tudo bem tá? Porque a mamãe está aqui.

Veja bem: a mamãe, no caso, sou eu. EU. A mamãe – que “tem tudo sob controle”. A mamãe – que “está lá quando precisa”. Essa mãe aí – a “super poderosa” -, sou eu. EU???

Me senti uma farsa, sério. Mas sabe o quê?

Eles não perceberam. Muito pelo contrário. Para eles foi mais do que suficiente.

Assentiram tranquilamente e seguiram para suas atividades, como se tudo aquilo de repente fizesse sentido. Simplesmente porque a mamãe está aqui.

Às vezes a gente exige tanto da gente, né?

Que essa pandemia acabe logo. Que as pessoas sejam compreensivas e tolerantes umas com as outras. Que os memes continuem chegando (por favor não parem!! Bom humor é o melhor remédio. Precisamos dele neste momento.)

Quem possamos compartilhar amor e bons momentos online.

E que possamos ser fortes e serenas como nossos filhos acham que somos.

#fiqueemcasa

1

Um filho de dez anos

Outro dia fui preencher um formulário do meu filho e fiquei meio atônita ao colocar no espaço de idade o número 10. Dez anos. DEZ. Dois dígitos. Pensei: Caramba. Como foi que isso aconteceu?

A sensação é… que eu passei de ano na escola da maternidade. Ou sei lá, de fase no videogame. Tipo quando você sai do primário pro ginásio, sabe? Quando a gente era criança e passava da 4a para a 5a série e tudo ficava um pouquinho mais difícil e assustador? Os professores eram mais sérios, as matérias mais complicadas…

E aí eu fiquei pensando… o que significa para mim, afinal, ter um filho de dez anos? A lista que eu rabisquei saiu mais ou menos assim:

Ter um filho de dez anos é:

Entender, na prática, o que significa quando dizem que o filho é do mundo, e não seu.

É ter medo dele sofrer bullying. Dele fazer bullying. Dele sofrer. Porque o mundo é duro, às vezes.

É deixar ele ir. Um pouco… só um pouquinho. E tentar ficar bem com isso.

É poder sentar junto no Netflix e assistir algo semi-adulto que os dois curtam. E rir juntos!

É aprender que nem sempre vale a pena brigar por um pum. Às vezes é melhor fingir que não ouviu.

É ter que aprender a confiar no que você ensinou até hoje, porque a vida/escola/amigos já começam a testá-lo, e nunca é fácil.

É aceitar que alguma hora ele tem que ir no acampamento com os amigos… você não pode segurar ele debaixo da sua asa pra sempre!

É não ficar triste quando ele está mais afim da companhia dos amigos do que da sua.

É saber que ele te ama muito, mesmo que não precise mais tanto assim de você. No fundo ele sempre vai precisar, um pouquinho.

É ouvir longos e detalhados relatos sobre jogadas de futebol na escola e fases de videogame.

É aceitar a enxurrada de hormônios que vêm, cheia de destrambelhados ataques de fúria.

É seguir separando as brigas cabeludas com a irmã de 7 anos. O dia inteiro. Por motivos cada vez mais elaborados, que nem Freud nem Einstein saberiam explicar.

Mas também perceber que de repente ele está tendo momentos de conversas despreocupadas e cheias de cumplicidade com ela.

É aceitar que nem sempre você vai conseguir lembrar de todas as coisas fofas e palavrinhas engraçadas que ele falava, nem de todas as fases que ele passou. É entender que algumas memórias se perdem no tempo. E tudo bem! Novas vão se formando.

É aceitar que nem sempre sua opinião vai prevalecer, e faz parte…. A palavra final AINDA é sua! Aproveite!

É constatar que, apesar de tudo isso, ele ainda cabe, sim, no seu colo quando precisa.

5

A Maria Fedida e a geração dos politicamente corretos

Estávamos no carro.

Eles estavam se matando brigando no banco de trás. Eu, depois de tentar distraí-los, pedir trezentas vezes para ficarem quietos e ameaçar tirar todos os momentos de lazer da vida deles caso continuassem brigando, já tinha desistido e abstraído. Estava totalmente ligada no modo zen, curtindo tranquilamente minha Alfa FM (sou velha), quando noto que no vidro dianteiro há uma espécie de besouro.

Do lado de fora do carro, graças aos céus.

E, bom, quem tem filho e mora na zona urbana como eu, sabe que deparar-se com um besouro é uma sensação. Que gera praticamente a mesma reação de encontrar, sei lá, o Mickey.

Eles param instantaneamente de brigar e começam a prestar atenção no tal bicho (serei eternamente grata a ele por promover a paz no meu carro)

FILHA DE 7 ANOS: Eca, o que é? Uma barata? Que nojo!

FILHO: Não, não é uma barata, sua burra!

Tem necessidade do xingamento? É sério, precisa disso?

EU (com tom de mãe-brava): Não xinga sua irmã filho, pede desculpas, JÁ.

ELE: O quê?? É burra mesmo..

EU (já sem nenhuma compostura): PEÇA DESCULPAS JÁ!!!!

ELE: Tá, tá, desculpa, hunf…

EU (recuperando a compostura): Gente, é uma Maria Fedida! Olha que gracinha.

Os três olham boquiabertos para o bicho. Os mais velhos começam a contar empolgados sobre suas experiências anteriores com marias fedidas.

Minha pequena, ofendídissima e pegando todas as dores da Maria, diz:

FILHA PEQUENA: Não é Maria Fedida!!! Coitada!

Seus irmãos começam a rir da fofurice.

Realmente, a gente ensina eles que não pode xingar, não pode chamar os outros de nomes pejorativos, e aí vem a mãe e diz “olha lá a Maria Fedida”? Como a gente espera que o mundo faça sentido para eles assim?

FILHA PEQUENA: Mamãe, não pode falar fedida. É uma Maria Boazinha…. que tem cheiro ruim.

FILHO, GENTIL: Esse é o nome dela, não é que ela é fedida de verdade.

Enquanto eles debatiam sobre as causas do fedor e do nome dela, a pequena seguia insistindo que estávamos sendo muito rudes por chamar a pobre bichinha com esse nome, como legítima integrante dessa nova geração politicamente correta, onde a gente não pode mais nem cantar direito a música do atirei o pau no gato direito (tem que ser aquela versão “não atire o pau no gato-to porque isso-so não se faz-faz-faz..” sabe??). E todo os contos de fadas já foram censurados faz tempo (por exemplo, na Chapeuzinho Vermelho original, avó e neta morrem comidas pelo lobo, não há caçador salvador da pátria algum). E, bom, nem vou mencionar as palavras que caíram em desuso por serem consideradas politicamente incorretas.

Enfim.

Chegamos ao nosso local de destino em paz, conversando gentilmente sobre besouros e Marias Fedidas. E por isso, serei eternamente grata à Maria Fedida. Ou Maria Boazinha. Seja lá qual for seu nome.

_____________________________________

NOVO GUIA DE VOCABULÁRIO POLITICAMENTE CORRETO PARA GERAÇÃO ALPHA (nascidos pós 2010)

LOBO MAU: animal que segue seus instintos 

PÉ DE MOLEQUE: pé de menino levado/que gosta de bagunça

LADRÃO: indivíduo que promove o furto 

BRUXA MÁ: fada psiquicamente avariada/traumatizada 

6

Volta às aulas

FILHO: Mãe, amanhã eu quero ir para a escola bem cedo!! Pra pegar lugar…

Meu filho de dez anos disse isso ontem, um dia antes da volta às aulas.

EU: Cedo tipo que horas?

ELE: Tipo umas seis, seis e meia.

Me lembrei, então, de quando eu era pequena e fazia minha mãe acordar as 5 da manhã no primeiro dia de aula para me levar na escola escolher o meu lugar na classe (valeu mãe!!!) Na época, todas as crianças chegavam 4h -5h – 6h da manhã para conseguirem ser as primeiras a selecionar o seu assento, que seria praticamente o seu lar na escola durante o resto do ano letivo. Seu porto seguro. Um lugarzinho para chamar de seu naquele ambiente nem sempre amistoso chamado escola.

Era um absurdo, mas de certa forma compreensível.

Então, tomada por essa lembrança (que na época me deixava bastante ansiosa, mas que hoje a tomo com afeto e nostalgia) eu compreendo o desejo do meu filho.

Acordamos bem cedo e chegamos na escola uma hora antes do normal. Mochilas, uniformes, material escolar, tudo certo. Prontos para a guerra a seleção dos lugares. Parei o carro e desci com eles.

Meu filho, então, olha para mim e diz:

EU, ultrajada: Como, tchau mãe? Eu vou subir com você.

FILHO: Não vai, não.

EU, contrariada: Vou sim!  Como não?? Primeiro dia de aula! Quero ver sua sala, sua mesa, tudo o mais.

FILHO: Mãe, NENHUMA MÃE SOBE. Eu já estou no quarto ano. Tchau, sério.

EU (Insistente. Porque sou brasileira e não desisto nunca.): Mas filho, e todo o material? Eu te ajudo a carregar lá para cima.

FILHO: Não. Eu levo mãe. Tchau. Obrigado.

EU: Então tá né… um beijo pelo menos?

Ele revira os olhos, olha para os dois lados para ver se não tem ninguém por perto e assente. Sinto um aperto no coração.

Olho para minha filha de 7 anos e me recomponho.

EU: Filha! Sua vez! Vamos? Vamos lá? Vou subir com você.

EU, em choque: Como não? Primeiro ano primário. Lógico que sobem.

FILHA: Não mãe… Ano passado você foi a única.

EU, brasileira insistente: Poxa, como assim filha? E o seu material? Você vai levar sozinha?

FILHA: Sim né. Dur. Eu não sou bebezinha.

Me deu um beijo rápido e fim.

Lá se foram eles, lutar suas primeiras batalhas do ano, longe de mim. E eu fiquei estática com cara de tacho tentando entender como isso aconteceu.

A vida não te prepara para se tornar “desnecessária” para os filhos. Doeu. Mas acho que faz parte, né? E bom, o que eu posso dizer? É todo aquele drama: A gente põe um filho no mundo, sabe… carrega nove meses… para sermos tratadas assim…

Me recompus, saí de lá e fui atrás de um sundae duplo com calda de chocolate e caramelo. Porque eu merecia.

Infelizmente não encontrei NENHUM lugar aberto, afinal, ainda era de madrugada.

Resumo da ópera:

  • Férias: quem está fora quer entrar, quem está dentro quer sair.
  • O tempo passa rápido pra burro (lembre-se disso nos maus momentos também)
  • Falta na cidade de SP estabelecimentos que fiquem abertos 24 horas para eventuais crises emocionais.

_____________________________________________________________________

Em tempo: Meu filho acabou com um lugar no canto da segunda fila. De acordo ele, já havia muitos amigos na classe quando ele chegou. Minha filha conseguiu um na primeira fileira.

Ambos estão satisfeitos.

E eu, por fim, ainda não consegui comer o meu sundae. Decidi desenhá-lo para ver se passa a vontade:

Não passou.