3

A amiga da natação

Papo com minha filha de três anos e meio:

FILHA: Mãe, sabia que a minha amiga da natação tem uma prima que tem o meu nome e também usa brinco de joaninha, igual eu?

EU: Que legal filha!! Ela te contou?

FILHA: É!

EU: E como se chama sua amiga da natação?

….. silêncio.

EU: Filha, você não sabe o nome dela?

joaninha 1

HAHAHAHA

EU (segurando o riso): E você sabe o seu como? Porque eu te contei?

joaninha 2

HAHAHAHAHAHHA

Então tá!!

Advertisements
2

Uma tática infalível

As vezes é difícil manter a autoridade. Você não acha? Eu com dois filhos às vezes sinto um pouco de dificuldade de manter os dois “na linha” (quem ler vai achar que eu sou super autoritária hahaha mas não sou não tá, sou normal). Quando eles entram no modo “vamos nos juntar contra a mamãe”, ninguém segura.

Então hoje eu quero compartilhar uma dica que funciona hiper bem. Uma dica que eu na verdade descobri já faz uns anos, e que eu simplesmente não sei explicar por que funciona!! Mas funciona.

Digamos que você está em casa, fim da tarde de um domingo. Você olha em volta e está tudo uma zona. O lego espalhado, as bolinhas de gude jogadas por toda a sala, os livros todos no chão, os bloquinhos de madeira espalhados misturado com o lego, lápis de cor, folhas de papel…. Você olha tudo em volta e pensa “Como, meu Deus, como eu deixei chegar nisso?? Porque eu não mandei ir guardando a cada novo brinquedo que eles escolhiam?”

Chega aquela fatídica hora de arrumar, e você começa a cantar gentilmente, convidando todos a participar desse momento tão solene.

123

Sério, eu encarno a noviça rebelde. Canto mesmo, entoo a música, sou hiperlegal.

E tem dias que eles super colaboram. Arrumam tudo, felizes, unidos, uma beleza. Mas tem aqueles dias que eles respondem assim:

1231

Aí eu já sei que eu tenho duas opções:

1- ligar o “dane-se” e arrumar tudo sozinha. Paciência. Deixa eu mimar eles agora que eles vão crescer um dia. Além disso, estou esgotada pra iniciar a terceira guerra mundial nesse momento.

2- Insistir pra eles arrumarem. E aí me preparo pra guerra. (Essa opção exige preparo físico e mental. Esteja focada no seu objetivo. Eles são muito espertos e conseguem te enrolar facilmente)

Aí, nesse dia, eu optei pela 2a alternativa. Eu mandei arrumar.

Aquele show né, eu implorando pedindo pra arrumar, já ameaçando* tirar tudo o que eles mais amam – TV, livrinhos, video, netflix, bichinho de pelúcia, etc. – E me lembro da tática infalível. A mais infalível de todos os tempos. Ela SEMPRE funciona.

1232

Eu ameaço que vou contar até três.

Nessa hora eles entram num frenesi. Um desespero, tipo “nãooooooo, não contaaaaa!! Pelo amor!!”

Eu juro que eu não sei o que eles imaginam que vai acontecer quando eu chegar no três, até porque eu nunca cheguei até o três. Eles sempre começam a arrumar no UM, ou no máximo no DOIS.

(Não, sério, eu me pergunto, o que raios eles acham que vai acontecer quando chegar ao três?? Se alguém souber por favor me diga.)

E então, em poucos muitos minutos minha sala está linda e organizada **

É impressionante como funciona! Já uso ha uns três anos e é batata. E você, já tentou??

______________________________________________

*uma palavra rápida sobre ameaças.

Se você ameaçar que vai tirar o brinquedo, a mesada, o passeio, a sobremesa, seja lá o que for, você precisa BANCAR essa ameaça. Parece óbvio mas não é. As vezes eu ameaço eles com as coisas e depois falo “PUTZ… por que fiz isso?? Burra”. Então pense bem na hora de ameaçar, porque se a gente não cumpre, a gente perde credibilidade com eles. Tenho até uma boa história sobre isso, que vou deixar pro próximo post. Prometo não demorar mais 5 meses!! =)

 

** Ok, linda e organizada é exagero. Mas digamos que a sala fica… decente.

2

Sonhos e aspirações

Todo mundo tem sonhos. Sonho de virar estrela de cinema, ou em ser um grande médico, em se tornar empresário, artista, chef de cozinha… Alguns tem uma viagem dos sonhos, a casa dos sonhos. Ou sonhos mais imediatos, como o de passar de ano sem nenhuma recuperação, ou o de conseguir dormir 8 horas inteiras numa só noite.

Minha filha pequena tem um sonho.

Ela quer muito ter cinco anos. A aspiração da vida dela é ter cinco anos. Se você pergunta para ela “O que você quer ser quando você crescer?” Ela vai te responder:

cinco anos 1

Ela acha que fazer cinco anos vai abrir todas as portas do mundo pra ela. Se você já conversou com ela, provavelmente já deve ter ouvido “Porque quando eu fazer cinco anos…”

Com certeza esse sonho é inspirado no irmão, que hoje efetivamente tem cinco anos (e em duas semanas faz seis!!).

Quando eu perguntei para ela por que ela quer ter cinco anos, ela me compilou verbalmente uma lista completa de bons motivos. Com cinco anos ela poderá usar o elevador sozinha (desde que peça autorização pra mamãe), tomar banho sozinha, e fazer lição de casa todos os dias (!!!). Poderá viajar e passar o final de semana com os avós sozinha. Poderá ler sem ajuda os seus livrinhos antes de dormir. Poderá ir à dentista e ganhar uma lanterninha da Frozen (brinde que a doutora dá).

cinco anosEpa! Ficar acordada na-na-ni-na-não..

EU: Filha, isso você não vai poder fazer. Seu irmão tem cinco anos e ele dorme na mesma hora que você.

Então ela pondera um pouco e me pergunta:

FILHA: Mamãe, o que acontece depois de cinco anos?

EU: Hm… Você faz seis anos

cinco 3EU: Não filha, ainda não..

FILHA: Com quantos anos eu vou poder ficar acordada igual você?

EU: só lá pelos dez (inventei uma idade bem longínqua porque, para falar a verdade, não tenho a menor ideia de quando ela vai poder ficar acordada até tarde. Minha experiência como mãe vai até a tenra idade de seis anos)

Mas acho que serviu. Porque ela se contentou com a resposta e saiu andando, pensativa.

Acho que dei um nó na cabecinha dela. Mas vamos ver se amanhã ela continuará querendo fazer cinco ou vai começar a sonhar com o dez…

_________________________________________________

É interessante que ela também usa essa idade de cinco anos para se esquivar das coisas… Por exemplo: quando eu pergunto quando a gente vai jogar as chupetas pros peixes, ela sorri e responde: Quando eu tiver cinco anos, mamãe! 

(O que é claro que não é verdade, pretendo tirar este ano… Ela usa a chupeta pra dormir, e gosta tanto que estou com dó de tirar!)

4

A vaca morrida

Este é um post sobre o dia em que vimos uma vaca morta na estrada.

Você já viu uma vaca deitada no meio da estrada? Eu nunca tinha visto. Foi uma experiência nova para mim e para o meu marido, e um tanto chocante para os meus filhos.

Estávamos viajando já há algumas horas por uma estradinha de duas mãos, cheia de curvas.

A situação dentro do carro era caótica (não vou ilustrar, vou deixar para suas mentes criativas imaginarem os pacotes de biscoitos, restos de maçã, papel kleenex jogados, garrafas de água vazias, etc) quando de repente passamos por uma vaca caída no meio da estrada. Gigantesca, branca. Uma cena chocante. Não havia sangue nem nada, apenas a vaca, e alguns carros parados prestando suas condolências na faixa ao lado*.

Ela estava tão serena que algum desavisado poderia imaginar que ela estava dormindo.

Com dois filhos pequenos no carro, nós não paramos. Deixamos a vaca para trás e continuamos nosso caminho, cada um absorto em seu silêncio, digerindo a cena, quando do banco de trás vem uma vozinha:

vaca morrida 1

Era minha filha.

EU:……. é verdade filha..

FILHA: Que nem eu né?

EU: Isso mesmo. Igual você.

vaca morrida 2

EU (e marido) HAHAHAHAHAHHAHAHA

FILHA: E aí ela fica assim, morrida.

O que eu posso dizer? Foi um aprendizado, passar pela vaca morta. Sem eu precisar falar nada, muitas lições ficaram para as crianças: temos que obedecer a mamãe, dar sempre a mão para atravessar a rua, estar sempre atentos…

Querida vaca da estrada, obrigada por me ajudar na árdua tarefa de educar os meus filhos, mesmo que só por alguns segundos. Sinto muito. Descanse em paz.

_____________________________________________________________

Neste post aqui já falei sobre vacas na estrada. Mas no caso elas estavam vivas.

*Não havia ninguém fazendo contato físico e direto com a vaca, deitado em cima dela e abraçando-a como no filme do Eu Eu Mesmo e Irene. Isso foi um pouco decepcionante, confesso. 

1

Palavra mágica

Em tempos de Mickey Mouse Club House…

FILHA: Mamãe, to com fome. Tem chocolate?

(Pois é, ela já nasceu com necessidade de chocolate e tudo. Bem menina mesmo..)

EU: Tem maçã cortada, serve?

FILHA: Tá bom, então eu quero maçã cortada

EU: Qual é a palavra mágica??

miska muska

___________________________________________________

PS: Pra quem não sabe o que isso significa, ou nunca assistiu Mickey Mouse Club House.
PS2: eu estava me referindo à magia do Por Favor.

1

Sobre Meninos e Meninas

Faz uns dois anos meu filho ganhou de presente um carrinho de controle remoto, super legal.

O diferencial deste carrinho, é que ele fica preso ao seu controle por um fio de mais ou menos um metro e meio de comprimento, para o carro não “se perder”. Já viram um desse estilo? (Achei bem prático esse fio, assim pelo menos os dois estão sempre guardados juntos)

Pois bem.

Semana passada as crianças encontraram este carrinho há séculos perdido no armário de brinquedos (também conhecido como armário das coisas perdidas e nunca mais encontradas… você deve ter um desses em casa, não?)

Meu filho ficou excitadíssimo, é lógico. Passou a tarde brincando. Mais ou menos assim:

meninos meninas

Altas velocidades, manobras, e algumas batidas pelos móveis da casa…

E então, mais tarde, depois do irmão cansar da brincadeira, minha filha encontrou o tal do carrinho e resolveu brincar também.

Mais ou menos assim:

meninos meninas 2

 

Coméquié?

Desfilando delicadamente com o seu auau e sua bolsinha a tiracolo.

Pois é… meninas serão sempre meninas.

E meninos serão sempre meninos.

____________________________________________

Gostaria de enfatizar que minha filha tem um cachorrinho de pelúcia rosa, preso por uma coleira de coração, que ela poderia ter levado pra passear pela casa. Mas por algum motivo que foge da minha compreensão, ela quis brincar com o carrinho… 

Vai entender…  

4

Regras

Toda casa tem suas regras.

Algumas são firmes, outras mais flexíveis.

Desde “Não pode dormir sem tomar banho” até “não pode comer no quarto” ou “Terça feira é dia de cortar a unha”.

O engraçado é que as crianças vão crescendo e as regras que eram vitais começam a perder o sentido e sair de cena para dar espaço a regras novas.

Filhos fazem isso com nosso lar.

Por exemplo, aqui em casa antigamente a gente não podia passar de sapatos na frente do quarto das crianças de noite, porque senão eles acordavam. Era motivo de grande discussão entre eu e meu marido, mas no final ele acatou a regra – tira o sapato e passa (coisa de mãe paranóica).

Era uma situação meio ninja, tipo..

REGRAS 1

Hoje em dia eu posso passar o aspirador na frente do quarto deles que eles continuarão profundamente adormecidos.

Ou seja, a regra do tira-o-sapato-na-frente-do-quarto caiu.

Dizem que para as crianças as regras são muito importantes. Tem gente que discorda, sei que existem linhas de maternidade mais liberais (pelo menos já li a respeito).

Mas por aqui temos a rotina, e uma porção de regras. Exemplo:

regras 2
Enfim. Essas são apenas algumas.

E esta tarde, meu filho criou uma regra nova.

Minha pequena de dois anos estava inconsolável porque queria ter servido a salada no prato dela sozinha, e eu já havia servido. Obviamente essa situação para uma criança de dois anos é considerada algo próximo do fim do mundo.

Então ela chorava e se debatia no chão, e ninguém sabia o que fazer.

Eis que meu filho, preocupado, diz:

FILHO: Mãe tenho uma nova regra pra nossa casa

EU: Qual filho?

regras 2

(L)

Eles se batem, reclamam um do outro o dia inteiro, as brincadeiras acabam em choro… Mas no fundo se importam (muito) um com o outro.

_______________________________________

PS: É claro que não vou acatar essa regra nova da casa.

PS2: Ela logo parou de chorar, depois de eu convidá-la para servir salada no prato do irmão.