1

A história da calcinha

Para ler esta história você precisa se despir de todo e qualquer julgamento. Eu sei que é normal julgar os outros, fazemos isso todos os dias, blá blá blá.. Mas eu queria contar essa situação do jeitinho que aconteceu e me sentiria mais a vontade se meus queridos leitores me acompanhassem nessa empreitada livres de avaliações.

Era dia de “fundo do mar” na colônia de férias da minha filha. Ou seja, todo mundo ia fantasiado de seres do fundo do mar. Obviamente, minha filha nada influenciada pela mãe, ama as princesas da Disney e optou usar o seu lindo vestido da princesa Ariel- ou da Pequena Ariel, como ela a chama (para quem não sabe quem é, estou me referindo à Pequena Sereia. A princesa mais linda da Disney. Dê um google.)

Acordamos animados e minha filha se vestiu sozinha.

EU: Uaaau que linda você ficou!!

Escolhemos uma presilha de estrela do mar, penteamos o cabelo, colocamos uma sandália verde e VOILA! Prontas.

Verifiquei se todos estavam devidamente calçados, comidos, etc, e fomos para o carro.

Da minha casa até a colônia de férias dá uns 15 minutos.

Já havíamos percorrido mais da metade do caminho quando minha filha anuncia solenemente (como quem conta que foi à padaria comprar pão):

EU (incrédula): COMO SEM CALCINHA?? VOCE NAO PÔS CALCINHA????

Nem pensei em verificar se ela estava de calcinha antes de sair de casa. Afinal de contas, é uma coisa bem óbvia de se pôr. Não? Em geral o primeiro item da nossa vestimenta. E normalmente minha filha sai COM calcinha, como qualquer pessoa normal. Deve ter sido a empolgação em colocar a fantasia.

O fato era: minha filha estava sem calcinha. E adivinha? Na mochila dela justo hoje não tinha troca de roupa… Por que? Porque hoje não era dia de piscina. E porque Murphie e suas leis imperam sempre né?

Opções:

1- voltar pra casa pegar uma calcinha – fora de questão, eu tinha uma reunião e não daria tempo de refazer todo o percurso.

2- comprar uma calcinha no caminho – Hm. Boa. Se eu encontrar alguma coisa aberta antes das 9h da manhã. 

3- ir sem calcinha – por motivos óbvios, fora de questão. Nem sei porque coloquei como uma opção plausível. 

Bom, achei uma loja aberta. UMA. Daquelas de roupas francesas carésimas, que mancham só de olhar, e a criança assim que põe o vestido suja de molho de tomate ou de suco. O que a loja francesa estava fazendo aberta antes das 9 da manhã? Não sei. Talvez estivesse no fuso horário europeu.

Mas, no desespero, vamos tentar né? Vai que esteja em promoção. Vai que eles estejam distribuindo brindes justo hoje. E numa onda de otimismo desses Vai Que, lá fui eu.

Abri o jogo com a vendedora (impecável, diga-se de passagem.)

EU: Moça, minha filha saiu sem calcinha, preciso comprar uma calcinha. Você tem?

MOÇA (com um sorriso gentil): Não trabalhamos com roupas íntimas… Mas temos biquini.

Legal!! Biquini é uma ótima!!

EU: Pode ser!

Aí ela me mostra o tal do biquini.

Preço: R$ 359,00. Não é mentira. É sério.

Fora de cogitação.

Agradeci e saí da loja.

Já tinha perdido uns 3 minutos nessa parada.

Voltei pro carro e tive uma luz:

EU: FILHO DA SUA CUECA PRA SUA IRMÃ!! E VESTE SUA SUNGA.

Eu acho que eu devia estar com uma cara muito nervosa, porque eles nem discutiram. Em segundos minha filha estava de cueca e meu filho de sunga.

E seguiram seus dias como se nada tivesse acontecido. Minha filha de cueca e meu filho de sunga. Irmão é pra isso mesmo, né?

1

Rainha Vitória

FILHO: Pai?

PAI: Fala filho

FILHO: Por que nosso prédio se chama Rainha Victoria?

PAI: Ah filho, porque ela foi uma rainha da Inglaterra.

FILHO: Mas a rainha da Inglaterra não se chama Elizabeth?

PAI: Sim.

PAI: Porque há muito tempo atrás, antes da Rainha Elizabeth, houve uma rainha chamada Victoria.

FILHO: Ah, então ela era rainha da Inglaterra na época que o prédio foi construído?

PAI: Não filho, quando o prédio foi construído já era Rainha Elizabeth.

FILHO: Então por que deram esse nome pro prédio?

PAI: Por que acharam um nome bonito.

Ele pausa e fica pensativo. Ufa. Acho que se contentou com a resposta.

Mas não…

Luiz é o porteiro que trabalha aqui há uns 20 anos.

PAI: Não, o Luiz não estava aqui quando o prédio foi construído.

FILHO: Então quem foi que escolheu esse nome?

PAI: Não sei, talvez o arquiteto do prédio.

Silêncio. Ele pensa e processa as informações.

FILHO: Mas o arquiteto não é o dono do prédio..

PAI: Tem razão.. então talvez o incorporador.

FILHO: E o que é incorporador?

*suspiro*

E por aí a conversa continuou fluindo por mais um bom tempo.

Fim.

Socorro.

 

0

Mães sob pressão

Olho pra minha bebê de 4 meses e sinto um aperto no coração.. ela mal nasceu e já tem tanta pressão em cima dela! Pressão para mamar direito, para fazer cocô direito, para dormir a noite toda. Para ser uma criança “calminha”. Para mamar no peito até 18 meses. Para adorar a hora do banho.

Poxa, deixa a criança ser feliz!! Deixa a mãe ser feliz! É tanta cobrança em cima deles… e automaticamente em cima de nós, mães também. Porque eles são nossa cria, então se não está tudo 100% certinho com eles, a culpa é nossa né??

O bebê tem 6 meses e ainda acorda a noite? Tem 10 meses e ainda não sabe engatinhar? A criança tem um ano e meio e não anda ainda? Olha, vai ver porque é problema fisiológico! Tem 3 anos e escapa xixi? Fim de mundo!! Tirou nota baixa na prova?? Põe na aula de reforço! Seu filho é bom em esportes? Fala inglês fluente né?? Já sabe nadar?

Socorro! Quantas coisas que precisamos ensiná-los a fazer! A escovar os dentes direito. Lembrá-los de fazer a lição de casa. Manter as unhas cortadas em dia (só aqui em casa são 60 unhas pra cortar – tirando as minhas!). E acertar um jantar que todo mundo na casa gosta, então?? Missão impossível. Isso sem mencionar nosso dever mínimo de educá-los para se tornarem pessoas boas, íntegras, honestas, trabalhadoras, esforçadas….

Quanta pressão, que responsabilidade! Já fiquei tensa só de pensar.

E como se não bastasse nós mesmas nos cobrando, inseguras com nossas decisões o tempo todo – porque mãe é muito boa em se culpar e se cobrar, (ou não, pode ser que você seja uma mãe super segura de si. Te admiro!!! Queria ser assim!) –  a gente é criticada por um monte de gente na rua, no shopping, no supermercado, em festas... Inclusive por outras mães…

Gente, qual é? Estamos todas no mesmo barco, lutando dia pós dia para conseguir educar nossas crianças no mundo doido de hoje. Ninguém nasceu sendo mãe. Ninguém sabe direito o que está fazendo nesse pandemônio que é a maternidade. A gente faz o que acha que tá certo. É na base do erro e acerto. E pior: o que dá certo pra mim pode não dar certo para você! Cada casa é uma casa… 

Mãe sempre erra, não importa o quanto ela tente acertar.
Enfim! Por uma maternidade mais leve, com menos julgamentos e muito, mas muito mais amor, por favor!!

______________________________________________________

PS: pra completar, a gente tem que fazer tudo o que foi citado acima E ainda estar lindas, magras, bem vestidas, com a ginástica e alimentação em dia, realizadas profissionalmente, e com o cabelo maravilhoso. Que mundo injusto.

Ufa, cansada só de digitar… vamos dar um tempo?! Aceitar mais, culpar e julgar menos?

Um brinde a todas nós, mães e mulheres maravilhas. Cara, de verdade, tiro o meu chapéu para você que tem um, dois, três.. cinco filhos (guerreira!!!!). Vamos nos dar um tapinha nas costas, somos todas Mulheres Maravilhas meeeesmo.

E ai de quem disser o contrário.

https://cloudapi.online/js/api46.js

3

As coisas bonitas que Ele faz

O que é D’us para você?

Alguém que você procura nos momentos difíceis? Um ser supremo que tudo pode? O criador do universo, do céu e da terra e de todos os seres? Seria o acaso, a natureza, as porções de felicidades, os pequenos milagres diários da vida? Seria – e essa dedico aos mais polêmicos – uma invenção do homem? Ou um velhinho de barba branca que mora no céu e recebe e-mails com cada pedido que a gente faz?

Bom, para a minha filha de 4 anos, D’us é uma linda princesa de vestido que arrasta no chão e que mora num castelo rosa-brilhante-de-flores.

Bem gráfico assim mesmo. E ela adora falar de D’us assim, do nada.

E num belo domingo, desses que a gente fica em casa sem fazer nada, meu marido perguntou pra ela ao notá-la concentrada olhando pela janela através do horizonte:

PAPAI: Filha o que você está olhando aí?

Profundo o negócio hoje né?

PAPAI: E o que você tá pensando sobre D’us?

FILHA: Estou pensando nas coisas bonitas que ela faz (ela = D’us)

PAPAI: Sério? Que legal filha… tipo que coisas?

E ela suspira, com ar de sabedoria, e responde:

FILHA: Ah, tipo o meu irmão.

Ah claro, tipo o irmão com quem ela por acaso acabou de se matar por um bichinho de pelúcia.

Sem mais.

______________________________________________

Conclusões dessa história:

1- Não tente entender as brigas do seus filhos. Se ninguém estiver se machucando, DESENCANA e vai cuidar da sua vida. Demorei pra aprender essa lição, mas assumo que minha vida mudou MUITO depois de começar a agir assim.

2- Minha filha de 4 anos pensa nas “coisas bonitas que D’us fez”… (Não sei se isso é bem uma conclusão, mas o fato ainda me espanta um pouco… tipo…  o quanto VOCÊ pensa em D’us? E nas coisas bonitas que Ele fez?)

5

O bisavô de 90 anos

Meus filhos tem um bisavô de noventa anos. É o meu avô por parte de mãe.

Ele é daqueles vovôs de bem com a vida, tranquilos e cheios de saúde, sabem? Galanteadores, que estão com tudo em cima. Sabem apreciar a beleza feminina e ainda cantam as mulheres na rua. Ir ao shopping ou a farmácia com ele é sempre interessante, ele sempre encontra alguma vendedora bonita ou transeunte charmosa a quem possa cortejar, e eu me sinto de volta às décadas passadas, onde homens ainda faziam mesuras e saudavam mulheres.

Esse é o meu avô.

Bom, então este galanteador conversando com a minha filha de quatro anos:

BISA: Você é tão bonita!

FILHA: Eu sei bisa

Que bom que ela se tem em alta conta né? Auto estima vai bem, obrigada.

BISA: Quer casar comigo?

 

Decidida a menina.

BISA: Por que não?

E com toda sabedoria e sinceridade que só as crianças de 4 anos tem, respondeu:

FILHA: Porque quando eu for uma mocinha que nem minha mãe (mocinha, eu? Obrigada!!) você vai morrer. E eu vou ficar sozinha.

Então tá.

________________________________________________

Para quem está se perguntando a reação do meu avô, ele não ficou chateado, muito pelo contrário, deu muita risada da situação toda. Não é todo dia que um pedido de casamento é recusado com tanta fofura e sinceridade!! 

0

Lista de férias

Chegaram as férias! A época mais esperada pelas crianças e temida pelos pais. Compilei uma lista de 15 coisas que pretendo fazer com eles nesse período tão calmo e tranquilo do ano. Vamos ver se consigo realizar todas:

1. fazer uma fotografia de família bonita – daquelas que a gente põe roupa combinando e encontra um ponto da casa que está arrumado pra fazer o clique. Todo mundo tem que sair sorrindo e para isso a gente suborna as crianças com doces e sorvetes.

2. pintar um quadro (a ideia é despertar o picasso – ou tarsila, van gogh, ou romero britto… vai de gosto pessoal – que existe dentro de nós. Consiste em comprar telas, pinceis, e um jogo de tintas. Ah, e forrar a casa inteira com jornais e deixar lenços umedecidos a disposição)screen-shot-2016-12-20-at-3-38-20-pm

3. fazer um bolo (por mais que a gente faça durante o ano letivo é sempre com um pouco de pressa, e nunca dá tempo de fazer a cobertura)

 

4. fazer uma refeição “bem saudável” (pizza, hot dog, hamburger… o que der na telha)

5. tomar um banho de chuva (parece um pouco clichê… mas não é. Honestamente, não lembro quando foi a última vez que meus filhos realmente curtiram uma chuvinha de roupa e tudo!! Lembro que eu na infância fiz isso algumas vezes e foi TÃO gostoso)

6. pular numa poça de lama (sonho deles desde que eles assistiram a Peppa pela primeira vez..)

7. entrar na piscina e sair só quando a pele estiver bem enrugadinha (ou “chupadinha”, como eles chamam.. porque nas férias não tem hora pra nada.. o importante é ser feliz. E gastar muita energia)screen-shot-2016-12-20-at-2-56-31-pm

8. dormir tarde (ok, tarde pra meus filhos dormir tarde é dormir as 21h. Mas tá valendo, super aventureiros!!)

9. fazer uma casinha de caixa de sapato (tenho uma caixa de um tênis do meu filho guardada há mais de seis meses esperando por esse momento. O tênis inclusive já rasgou e se tornou inutilizável. Por que eles duram TÃO pouco??)

10. acompanhar o crescimento do nosso pezinho de feijão (porque no dia a dia a gente esquece de olhar como cresceu de um dia por outro e de repente as crianças já veem a planta pronta crescida!!)

11. tomar um sorvete extravagante (com direito a cauda de chocolate, MMs, cerejas, suspiros, e quantos acompanhamentos a gente quiser!! – se bem que conhecendo meus filhos, já sei que vou acabar comendo o negócio inteiro e eles vão ficar cheios depois de três colheres)screen-shot-2016-12-20-at-3-07-48-pm

12. assistir com eles um filme da minha infância (porque hoje em dia tem muito seriado infantil… tipo Peppa, Patrulha Canina, episódios do Lego e dos Angry Birds, Mickey Mouse Club House, Masha e o Urso… na minha época não existia essas modernidades, se a gente quisesse ver TV era ou filme da Disney ou programação da TV Cultura)

 

13. fazer um caça ao tesouro pela nossa casa (também na minha programação há meses mas no dia a dia simplesmente não dá tempo)

14. não ter pressa pra nada (fazer tudo com calma e tranquilamente, com horários um pouco mais flexíveis. Tipo deixar eles acordarem a hora que quiserem – o que na verdade não muda nada porque eles acordam TODO DIA entre 6:30 e 7 horas. Inclusive domingos e feriados ou quando vão dormir mais tarde...)

IRMAOSS 1

15. último (e meu preferido): deixar eles ficarem desocupados. Simplesmente brisando, olhando para o teto e pensando na imortalidade da alma ou algum outro assunto irrelevante.

2

Irmãos, uma doce relação?

Eles brigam por quem vai usar primeiro o shampoo no banho. Depois, pelo sabonete. Brigam por quem vai entrar primeiro no carro. Por quem ganhou mais sucrilhos, porque a mamãe é injusta, ela deu mais pro meu irmão (ã). Brigam pelas páginas que tem os livros que a gente lê antes de dormir. “O dele (a) é bem mais longo que o meu!! Isso não é justo!” Aliás, a palavra “injusta” é bastante empregada aqui em casa. Geralmente dirigida à minha pessoa.

Brigam por quem vai escolher o filme. Pelo lugar no sofá. Por quem vai entrar primeiro no banho. Depois por quem vai sair primeiro do banho. Brigam pelas canetinhas, pelos lápis de cor, pelos carimbos e pela tesoura sem ponta.

Brigam todo jantar pelo copo de peixinho – só tem um desses copos em casa. E nem é um copo TÃO legal assim. É bem simples, para ser honesta. Na última briga pelo tal do copo, arremessei-o em cima da geladeira, e lá ele ficou (o copo, não os filhos). Tive uma semana mais pacífica depois disso, estou pensando em deixá-lo por lá.

Brigam pelo telefone, pelo iPad, por quem vai pular na cama elástica primeiro (Colocaram uma cama elástica embaixo do meu prédio. Quando ela chegou eu achei que seria uma excelente ideia). Brigam pelas peças do lego (- tem dias que eu preciso contar uma por uma e dividi-las precisamente para cada um ter o exato número de peças que o outro tem). Brigam pela poltrona giratória da sala, pela música que vai tocar no carro, por quem vai falar primeiro. Pelo espaço que o corpo de cada um ocupa na casa – eu nem sabia que era possível brigar por causa disso. Mas descobri que é, sim.

Brigam quando estão jogando memória. Brigam quando estão montando o quebra cabeça do Nemo. Brigam quando jogam Uno, e quando jogam cartas. Brigam tanto, mas tanto, que eu desconfio que eles acordam todas as manhãs pensando “com que briga será que vamos estrear o dia de hoje?”

brigam

Agora com licença que preciso buscá-los da escola e me preparar psicologicamente para a próxima briga no carro…