0

Semana Detox… de telas

Depois de quatro meses de quarentena – é sério isso, quatro meses?? Obrigada China, obrigada morcegos. Obrigada políticos. Obrigada a sei lá quem mais dá para culpar. Obrigada. – decidimos fazer uma semana detox aqui em casa.

“Mas detox? Vocês estão comendo light?”

Não, nada a ver com comida ou dietas radicais abomináveis (conforme vocês puderam ver no post anterior, não estou conseguindo focar nisso no momento). É um detox de telas.

Significa que as crianças ficariam uma semana INTEIRA sem ver televisão ou brincar em tablets, videogames e celulares.

Não que eles fiquem MUITOO. Eles só tem ficado… muito. O consumo de eletrônicos aumentou significativamente durante a pandemia. Antes, éramos super regrados. Eles só podiam usar eletrônicos de sexta feira E de domingo. Não havia discussão.

Agora eu acabo deixando um pouco todos os dias. Porque sou um ser humano exausto.

E como eles estavam se tornando cada vez mais viciados – infelizmente as telas fazem isso com as pessoas… quanto tempo por dia você passa no celular? Já olhou? É assustador – decidimos fazer um detox de telas.

Isto é, uma semana inteirinha sem acesso à telas.

Enfim. Segue um relato de como foi a experiência aqui em casa:

Dia 1:

Muito choro e reclamação. Nos tornamos os piores pais do mundo. Injustos e sem coração.

Eles iam esquecer tudo o que estava acontecendo nos desenhos que estavam acompanhando. E por nossa causa TODOS os moradores do The Sims iriam morrer.

As crianças não sabiam o que fazer com si mesmas. Só sentiam a raiva crescente no peito e buscavam nos punir por fazer uma atrocidade daquelas com eles.

Confesso que quase desisti do plano.

Dia 2:

Insistiram de novo. Tentaram barganhar.

Como vocês podem ver, estava fácil a vida.

Novamente fomos chamados de pais injustos.

Escondo o controle da televisão e os tablets no armário do meu quarto, afinal, como dizia o ditado?

Ah. O que os olhos não veem o coração não sente.

Dia 3:

Começam a lembrar de brinquedos que estavam escondidos nos cantos dos armários e que eles não brincavam faz tempo.

Jogos como Cara a Cara, Lince e Twister são desenterrados e voltam a conhecer a luz do dia.

Passaram MAIS DE UMA HORA entretidos numa brincadeira onde eram policiais investigando um crime (não souberam me explicar qual era o crime, mas me garantiram de que a investigação estava indo bem)

Nem mencionaram as telas.

Dia 4: 

Consigo identificar um novo tipo de companheirismo entre eles. Parecem mais gentis e amigáveis. Brigam menos. A casa parece mais calma e civilizada.

Tento me lembrar da pesquisa que li a respeito do assunto. As telas deixam as crianças mais agressivas? Menos criativas? Passivas e vegetantes olhando para o nada. Era isso mesmo?

No fundo eu sei que sim. Mas secretamente espero que não.

Dia 5:

É quase como se as telas nunca tivessem existido. Continuam na brincadeira de investigação (curtiram a ideia de policial)

Fizemos o brownie e eles nem brigaram para lamber a forma. As meninas brincam de casinha, médica e cientistas.

O único que ainda sofre  de abstinência é meu filho de dez anos, que precisa desesperadamente ouvir suas músicas (Legião Urbana, Raul Seixas e Engenheiros do Havaí. Não me pergunte como, desconfio de que estou criando um adolescente revoltado dos anos 90.) Ele também quer continuar mantendo a família e a linda moradia que construiu no The Sims.

Dia 6:

Minha filha de três anos encontra o tablet escondido e todas as memórias voltam, uma a uma. Imagino que ela tenha lembrado de si mesma de banho tomado e pijama assistindo a Masha e o Urso depois de um dia cheio. Ela chora.

Pede pelo desenho.

Quero dar – porque sou dessas. Quero dizer:  “parabéns, meu amor, você aguentou muito bem, pode assistir um pouco de netflix.”

Mas o marido segura as pontas. Diz que não.

Vamos nos distrair um pouco.

Levo-a dar uma volta de carro e comprar um picolé. Vemos carros, cachorros e gente. É uma distração excelente.

Voltamos para casa mais calmas.

Mas durante vários períodos do dia lembra do tablet e pede por ele. De vez em quando até chora.

Dia 7:

Cansei.

Estou exausta. Preciso retornar uma ligação, responder vários emails e terminar o meu trabalho.

Libero um pouco de filme depois do banho.

Conclusão:

Crianças vivem mais do que bem sem telas.

A pessoa que mais sofreu com a semana sem telas, fui eu.

1

Querido plano de ser fitness,

Como vai você?

Por aqui tudo ótimo. Indo, vivendo, e postergando a sua chegada a cada dia como sempre. Ainda mais agora na quarentena.

Não me leve a mal, te admiro pacas, sei que você faz maravilhas com as pessoas. Deixa elas mais felizes, satisfeitas, saudáveis. Aumenta o amor próprio, a endorfina, a adrenalina.

Mas olha, sinceramente, é muito difícil colocar você em prática.

Por que? Porque tem horas que só um doce salva. No meu caso especificamente, um chocolate. É inegável que me deixa mais calma, mais alegre, mais paciente. O mundo se torna um lugar melhor e eu, uma mãe melhor.

Mas, em respeito a você, Plano Fitness, desde que fiz trinta anos e percebi que não dá pra ser irresponsável pra sempre – porque açúcar faz mal, aumenta o colesterol, diabetes, tira nossa energia, etc – eu vinha tentando deixar para comer doce só quando a situação estivesse mais caótica, sabe? Quando fosse imprescindível MESMO. De repente numa TPM forte, ou naqueles dias em que as crianças estão atacadas.

Mas preciso confessar que estou com a impressão de que, na vida adulta, o doce é imprescindível TODO SANTO DIA. Porque doce é tipo colo de mãe. E me diga, honestamente, quem não precisa de um aconchegante colinho maternal no fim do dia??

Veja bem:

Dia puxado no trabalho? Brigou com namorado/marido? Chocolate.

Crianças estão discutindo há horas e você já não sabe mais o que fazer? Que tal um pedaço de pavê?

O mundo entrou em colapso e está se despedaçando por causa de uma pandemia que parece se agravar a cada dia e nem a ONU sabe mais o que fazer?

CHOCOLATE, CHOCOLATE, CHOCOLATE.

Juro que vai ajudar.

E nem me venha com a história: “Ah, você pode substituir o chocolate ao leite clássico por linhaça pelo meio amargo”

Sejamos honestos: Isso dá certo para alguém? É que nem dizer que você pode substituir um lindo dia de sol na praia, com agua cristalina e cel azulzinho, por um dia frio com trovoadas na praia. Praia é sempre legal, claro. Mas, dependendo do clima, são duas experiências completamente diferentes.

Entende o que quero dizer? Sem condições. O chocolate amargo ajuda? Quebra um galho. Mas não me diga que um chocolate 80% cacau é a mesma coisa que uma panela morninha de brigadeiro.

Aliás, durante  a quarentena, poucas coisas são mais aconchegantes e terapêuticas do que comer algo bem quentinho, recém saído do forno.

Porque o que a gente faz o dia todo em casa, além de tentar manter algum resquício de rotina e gritar com as crianças para tentar manter a paz no lar (sei que parece contraditório, você ter de gritar para conseguir a paz. De certa forma é, mas quem está pensando em ser coerente num momento como esses né?).

Enfim, segue algumas ideias de coisas que a gente pode fazer e, com certeza, resultará num lar mais feliz e harmonioso:

Biscoitinhos amanteigados (com canela, se preferir)

Brigadeiros enroladinhos com confetes coloridos.

Bolo de cenoura com calda de chocolate.

E quando as crianças estão naquela brigalhada sem fim, que sempre acontece em algum momento da semana  – afinal, compreensível, sem amigos, sem escola, na companhia do outro o dia inteiro – e você já tá com vontade de chorar, qual é o melhor caminho?

Comer bis (ou similares) na cama, todo mundo junto. Intercalando um preto e um branco, e jogar conversa fora.

Então, plano fitness, como eu disse. Te admiro pacas. Mas vai ficar para a próxima.

Quem sabe depois da pandemia eu não me animo?

____________________________________________________________

*** estão me chamando de velha por utilizar o termo PACAS. Pode isso, produção?

2

STOP!

Estávamos sentados jogando STOP, eu e meu filho de dez anos.

Ultimamente, ele tem reclamado que as categorias comuns de STOP são muito sem graça. Sabe, os de sempre? Nome, Comida, CEP, Minha Tia É, etc?? (Aaaah, essa geração alpham acelerada e impaciente)

Então, para dar aquela revigorada na coisa, a cada jogo ele decide criar novas categorias.

Nesse dia, eram elas:

Não são categorias muuuuito diferentes das comuns, mas especificam um pouco mais a coisa. Não basta um objeto com N. Tem que ter mais de 100 kg. Não basta uma comida com N, tem que ser vermelha. E assim por diante.

Enfim. Eu havia acabado de escrever Napoleão Bonaparte e Nápoles (não gosto de preencher as coisas na ordem) e fiquei esperando ele terminar de escrever os dele. Sabe, acho que eu aos 31 anos coleciono um pouco mais de conhecimento e experiência de vida do que meu filho de dez – apesar de sua memória e capacidade de armazenar informações serem infinitamente melhores que a minha.

Em todo caso, considero uma diferença meio injusta disputar no STOP com um menino duas décadas menor do que eu. Por isso, mesmo que eu termine de preencher todas as categorias primeiro, sempre dou um tempinho pra ele acabar.

E nesse dia, enquanto eu esperava, fui me perdendo em meus devaneios (sim, dá uns bons minutos de espera, suficientes para se perder em devaneios distantes) e de repente comecei a lembrar daquelas piadinhas de cúmulos que eu costumava contar quando era criança.

Vocês lembram dessas piadas?

Decidi que talvez seria legal compartilhar com ele essas minhas lembranças.

EU: Filho, antes da gente comparar as respostas, eu quero muito te contar uma coisa da minha época.

(Vó total né?)

ELE: (adolescente entediado revirando os olhos): Fala, mãe.

Aí eu perguntei:

EU: Filho, você conhece as piadas de cúmulos??

ELE: Tem várias.. De qual vc tá falando?

Tento me lembrar da mais famosa da minha época:

EU: TIPO… Qual é o cúmulo da rapidez? Comer o guardanapo e limpar a boca com o peixe.

Lembro de como eu me achava o máximo quando contava essa piada.

Mas meu filho só me olhou muito sério e disse:

Oras, eu era tão avoada de pequena que nem sabia o que a palavra distração significava.

Mas não desisti:

EU: O cúmulo da distração não é trancar a gaveta com a chave dentro?

ELE: Não mãe, esse é o cúmulo da velocidade…

Minha Débora de dez anos interior já estava furiosa com a audácia daquele menininho dizendo que meus cúmulos todos estavam errados.

EU (enfezada): Não é, não! O da velocidade é apostar corrida contra si mesmo e chegar em segundo lugar.

Não contente, ele me lançou um olhar que era em parte desafiador e em parte divertido, e respondeu:

ELE: Mãe, este é o da lerdeza.

EU, vencida na vida: Tá, desencana dos cúmulos. Vamos de stop.

 

Comparamos nossas respostas.

Tiramos 75. Ambos colocamos Napoleão Bonaparte.

 

Resumo da ópera: Nada do que foi será de novo do jeito que já foi um dia… Nem as brincadeiras, nem as piadas. E provavelmente nem as músicas. RIP anos 90.

2

Os fantasmas vieram para o chá

Vamos deixar essa corona-pane de lado um pouco, e focar por um breve momento na mente dócil e completamente alheia aos problemas da vida real de minha pequena de três anos?

Eu estava dormindo. (Quem é mãe sabe a emoção que é este momento do dia.)

Dormia gostoso na minha cama, com meu edredom. Quando de repente, não mais que de repente, senti o corpinho quentinho da minha pequena de três anos entrando do meu lado e se aninhando em mim.

Tentei relutar, mas estava tão gostoso.

E eu estava tão cansada.

“DESENCANA”, pensei.

Abracei ela e voltei a fechar os olhos.

Nada contra quem faz o uso de cama compartilhada, sério. Cada um com suas escolhas!! Mas durante a noite eu particularmente prefiro que eles durmam em suas respectivas camas, por motivos de:

 

Bom, naturalmente, na manhã seguinte acordei quebrada e falei pra mim mesma: Débora, aprende de uma vez que isso não dá certo com você.

O problema foi que naquela noite ela veio, de novo.

Dessa vez eu estava preparada… Despertei, determinada. Peguei ela no colo e a levei para sua própria cama. Fiquei ali um pouco, um zumbi total, e quando senti que dava para dar aquela fugida ninja do quarto, voltei pra minha cama.

Deu certo.

No dia seguinte, perguntei por que ela havia acordado à noite de novo.

ELA: Porque eu estou com medo.

Medo?? De quê, eu perguntei.

Dos fantasmas, ela disse.

Ah, que amor!! Acho que todos passam por isso em algum momento.

EU: Mas filha, não tem fantasma…

FILHA, ultrajada: Tem sim!!

E eu lá vou discutir com a doce imaginação de uma menina de três anos?? Não, né?

EU (me achando esperta): Mas eu mando todos embora quando te coloco pra dormir, meu amor.

Sei…

EU: Então o que você quer fazer? Quer mandar eles para o quarto do seu irmão?

(Notem que sou uma mãe extremamente madura. Parabéns pra mim.)

FILHA, pensativa: Não vai dar certo… eles vão voltar mesmo assim, porque eles gostam de mim.

(Oras, pelo menos em matéria de auto estima estamos indo bem!!)

EU: Já sei, então vamos fazer um cantinho para eles? Uma caminha, com cobertor, travesseiro? Aí eles vão saber que é pra ir pra lá.

(tradução: To topando qualquer coisa pra você perder o medo, dormir tranquila e não me acordar mais a noite)

FILHA (considerando a ideia): E colocar lá no quarto do meu irmão?

EU (ops!!): Sim!!

FILHA (super empolgada): Vamos!!!

Dito e feito.

Pegamos a caminha de bonecas dela, forramos com o lençol de boneca e cobertor. Improvisei um travesseirinho. Depois, ela pediu para fazermos um desenho com uma placa explicative e me disse:

FILHA: Pra eles saberem que aqui é a caminha deles mamãe.

EU: Claro filha, acho importante, senão eles se perdem, né? Já pensou? Vamos fazer um desenho BEM LINDO!!!.

Fazemos o desenho.

EU: Pronto! Está bom assim?

Graças aos céus.

Porém, passam alguns instantes e…

FILHA: Mas mãe…. falta a comidinha!!!!

Ah, beleza.

Vou até a caixa de comidinhas de brinquedo e começo a separar um bolo de mentirinha, uma xícara de chá da Ariel, de repente uma maçã de plástico… Planejo um lanche completo e nutritivo para os nossos visitantes.

Mas não é suficiente para ela.

FILHA, indignada: MÃE!!! Tem que ser comida de verdade!!!

EU: Ah jura?? Ok! O que você quer dar? Fala pra mamãe.

(tradução: To topando qualquer coisa pra você perder o medo, dormir tranquila e não me acordar a noite)

FILHA: Arroz com franguinho.

EU, incerta: OK!

FILHA: No prato da Peppa. Ele gosta da Peppa.

Então fomos de Peppa mesmo.

 

Resumindo:

Tem uma caminha de boneca super aconchegante, com um desenho de fantasmas e e um pratinho da Peppa com arroz e frango à milanesa cortado em cubinhos especialmente para a família de fantasmas. Dentro do quarto do meu filho de dez anos.

 

Resultado:

Essa noite ela dormiu feliz e não acordou durante a noite.

 

Problema:

A comida é perecível e não pode ficar lá, parada. Vou ter de trocar.

 

Mas vamos que vamos!! Quarentena sem fantasmas já está valendo.

5

A Maria Fedida e a geração dos politicamente corretos

Estávamos no carro.

Eles estavam se matando brigando no banco de trás. Eu, depois de tentar distraí-los, pedir trezentas vezes para ficarem quietos e ameaçar tirar todos os momentos de lazer da vida deles caso continuassem brigando, já tinha desistido e abstraído. Estava totalmente ligada no modo zen, curtindo tranquilamente minha Alfa FM (sou velha), quando noto que no vidro dianteiro há uma espécie de besouro.

Do lado de fora do carro, graças aos céus.

E, bom, quem tem filho e mora na zona urbana como eu, sabe que deparar-se com um besouro é uma sensação. Que gera praticamente a mesma reação de encontrar, sei lá, o Mickey.

Eles param instantaneamente de brigar e começam a prestar atenção no tal bicho (serei eternamente grata a ele por promover a paz no meu carro)

FILHA DE 7 ANOS: Eca, o que é? Uma barata? Que nojo!

FILHO: Não, não é uma barata, sua burra!

Tem necessidade do xingamento? É sério, precisa disso?

EU (com tom de mãe-brava): Não xinga sua irmã filho, pede desculpas, JÁ.

ELE: O quê?? É burra mesmo..

EU (já sem nenhuma compostura): PEÇA DESCULPAS JÁ!!!!

ELE: Tá, tá, desculpa, hunf…

EU (recuperando a compostura): Gente, é uma Maria Fedida! Olha que gracinha.

Os três olham boquiabertos para o bicho. Os mais velhos começam a contar empolgados sobre suas experiências anteriores com marias fedidas.

Minha pequena, ofendídissima e pegando todas as dores da Maria, diz:

FILHA PEQUENA: Não é Maria Fedida!!! Coitada!

Seus irmãos começam a rir da fofurice.

Realmente, a gente ensina eles que não pode xingar, não pode chamar os outros de nomes pejorativos, e aí vem a mãe e diz “olha lá a Maria Fedida”? Como a gente espera que o mundo faça sentido para eles assim?

FILHA PEQUENA: Mamãe, não pode falar fedida. É uma Maria Boazinha…. que tem cheiro ruim.

FILHO, GENTIL: Esse é o nome dela, não é que ela é fedida de verdade.

Enquanto eles debatiam sobre as causas do fedor e do nome dela, a pequena seguia insistindo que estávamos sendo muito rudes por chamar a pobre bichinha com esse nome, como legítima integrante dessa nova geração politicamente correta, onde a gente não pode mais nem cantar direito a música do atirei o pau no gato direito (tem que ser aquela versão “não atire o pau no gato-to porque isso-so não se faz-faz-faz..” sabe??). E todo os contos de fadas já foram censurados faz tempo (por exemplo, na Chapeuzinho Vermelho original, avó e neta morrem comidas pelo lobo, não há caçador salvador da pátria algum). E, bom, nem vou mencionar as palavras que caíram em desuso por serem consideradas politicamente incorretas.

Enfim.

Chegamos ao nosso local de destino em paz, conversando gentilmente sobre besouros e Marias Fedidas. E por isso, serei eternamente grata à Maria Fedida. Ou Maria Boazinha. Seja lá qual for seu nome.

_____________________________________

NOVO GUIA DE VOCABULÁRIO POLITICAMENTE CORRETO PARA GERAÇÃO ALPHA (nascidos pós 2010)

LOBO MAU: animal que segue seus instintos 

PÉ DE MOLEQUE: pé de menino levado/que gosta de bagunça

LADRÃO: indivíduo que promove o furto 

BRUXA MÁ: fada psiquicamente avariada/traumatizada 

1

Tchau 2019 =)

E 2019 chegou ao fim.

Um ano de muito amor e aprendizado, muitas surpresas, bagunça e confusão. Ri, chorei, vivi um monte. Descobri coisas novas, fiz mais amigos. Cheguei nos trinta (pois é). Foi intenso.

Dizem que estamos sempre evoluindo como pessoas, que nunca podemos parar. Oras, se for assim é inconcebível acabar um ano do mesmo jeito que começamos ele, né? Então vai aí um balanço de algumas das lições mais importantes que aprendi em 2019 e que levo para 2020.

1- Aprendi que, afinal de contas, eu não sou assim tão jovem, descolada e moderna quanto eu achava que era… mas tudo bem. A verdadeira juventude está na nossa essência, e já decidi que, pelo menos por dentro, serei sempre jovem.

2- Que a gente tem uma mania compulsiva da nossa geração de querer resolver tudo e superar cada vírgula da nossa vida. Mas a descoberta do ano foi que… nem sempre a gente consegue. Nem tudo na vida a gente supera, e tudo bem! A vida segue. E, se tivermos sorte, com mais significado.

3- Aprendi que nem sempre podemos controlar os acontecimentos. Gostamos muito de acreditar que sim – talvez por ingenuidade ou arrogância – acreditamos que temos esse poder supremo sobre tudo. Mas a vida sempre surpreende e mostra que não, não temos.

4- Que as pessoas são diferentes, e cada uma tem suas próprias prioridades. Às vezes a gente discorda e tenta discutir  e argumentar, mas será que vale a pena? Afinal, prioridade é uma coisa muito pessoal.

5- … mas em tempos de internet e redes sociais, o wifi é definitivamente uma prioridade geral da nação.

6- Aprendi que às vezes a gente é muito rígido com a gente mesmo, e precisamos sempre lembrar de nos tratar com mais amor e gentileza. Preste atenção em como trata os outros. Agora pare e pense se você consegue ser naturalmente assim com você também…

7- Aprendi que grande parte da vida é escolha. Nós as tomamos com base nos conhecimento e vontades que temos no momento em que as tomamos. E tudo bem. Cabe a nós lidar com as consequências delas.

 

8- Que têm dias em que as lembranças chegam com tudo e a saudade bate mais forte. E dói e é difícil. Mas que há 99% de chance de sobrevivermos à ela.

9- Que os adultos definitivamente precisam de magia tanto quanto as crianças. A gente acha que cresceu e por isso não precisa/pode/deve mais brincar e se divertir. De jeito nenhum! Preste atenção em como você tem dado toques de mágica à sua vida.

10- Aprendi que (para o total desespero do meu ego) às vezes eu sou super-substituível… E tudo bem. Sobrevivi à isso também.

11- Mas que às vezes, também, eu sou insubstituível!

Obrigada a todos que me seguem. Não sei como agradecer, sério.

Feliz 2020 para nós! Vamos que vamos =)

4

O tênis na sala

Chego em casa daquele jeito depois de um dia lotado. Me jogo no sofá. Começo a relaxar o pescoço, sentir os músculos descansarem, quando…. me deparo com eles.

Os sapatos do meu filho.

Como sempre, eles adornam a minha sala de estar, quase como um objeto de arte moderna contemporânea. Sabe? Uma coisa meio conceitual, esparramada entre o sofá e a poltrona.

Mas será possível? Há nove anos (quase dez) ele é meu filho, e há nove anos (quase dez) me pronuncio contra este hábito diário. E olha que não sou das mães mais obcecadas por organização. Aliás, me considero bastante liberal e receptiva à falta de ordem.

Mas não consigo deixar de me perguntar, ali naquele ensolarado fim de tarde, sobre aonde está a dificuldade do meu baixinho (que já não é tão baixinho) em descalçar os raios dos sapatos no quarto. Não estou nem pedindo para que os guarde dentro do guarda roupas – longe de mim!! – peço apenas que os deixe no quarto, e não aqui.

O hábito está tão enraizado nele que secretamente desconfio de que, alguma vez, já deve ter acontecido dele chegar em casa, correr até o quarto e notar que ainda está com os sapatos nos pés. E então dar um suspiro e dizer: “Ah, não!! Esqueci de deixar os meu tênis na sala. Vou lá tirar e já volto”.

Será? Não duvido.

Mas sabe, temos de escolher nossas batalhas, não dá para exigir tudo o tempo todo. Por exemplo, no momento estou focando na causa-toalha-de-banho. Depois de anos muito tempo pedindo e explicando a importância de pendurar a toalha após o uso (deixá-la seca para amanhã, manter o mínimo de organização no lar, etc) eu finalmente consegui!

Considero uma batalha quase vencida. Meus futuros genros e noras poderão reclamar do que for, mas não da toalha jogada na cama.

Já o tênis no armário… essa ainda não posso garantir.

Escuto-os conversando alegremente no meu quarto. Pelo papo, sei que estão brincando de montar um forte na minha cama. Penso em ir lá dar oi, conversar um pouquinho, chamar ele pra recolher o tênis… Como a mãe responsável que eu deveria ser. Que busca sempre educar os filhos, ensinar as coisas…

Mas… não vi eles o dia todo. Não quero chegar assim, já reclamando. Não dá para bancar a mãe chata agora. Aliás, é tão exaustivo ser uma mãe chata. Você não acha? Por mim eu seria sempre uma mãe legal. Quer faltar na escola? Sim! Ver TV a tarde toda e desencanar da lição de casa? Estou dentro! Tomar sorvete para o jantar? Com certeza!

Posso escolher ignorar: simplesmente fingir que nunca vi o sapato aqui, todo errante, entre o sofá e a poltrona. A ideia me parece tentadora.. afinal, amanhã cedo ele já vai ter de usá-lo para ir à escola, mesmo, que diferença faz? Assim, já está mais próximo da porta para ir embora. Será quase um desserviço às nossas atrapalhadas manhãs eu mandá-lo guardar o tênis agora. Oras.

Seria o sapato jogado um sinal de minha negligência materna? Talvez um símbolo da desordem natural da vida? Seria um displicente ato de rebeldia pré adolescente? Ou quem sabe, penso, olhando de relance minha bolsa e casaco que acabei de largar no sofá, seja apenas um ato de entrega, tão doméstico, que nos concedemos ao chegar em casa depois de um dia cheio?

Hoje não será dia de vencer batalhas. Hoje será dia de me unir aos meus pequenos e adoráveis “inimigos” no forte, de repente estourar umas pipocas quentinhas e pedir uma pizza para o jantar.*

_______

*O jantar foi carne com legumes, arroz, feijão e salada de tomate com palmito. Mas cá entre nós, eu adoraria que tivesse sido pizza. 

3

O dia que era para ir de roupa de festa

Sexta feira passada minha filha de 7 anos tinha de ir de roupa de festa na escola. Seria uma comemoração entre todas as classes, e ela estava empolgadíssima para este momento. Na noite anterior falamos durante o jantar inteiro sobre assunto, pensando nas possibilidades do que vestir.

O problema foi que no dia seguinte acordamos e, na correria, acabamos esquecendo de vestir a roupa de festa. Eu não lembrei. Ela não lembrou. Ninguém na casa lembrou. Então vestimos o bom e velho uniforme de todo dia, fizemos um rabo de cavalo com elástico da bandana, e lá foi ela.

Sem vestido. Sem sapato. Sem tiara.

E eu segui para o meu dia. Foi uma manhã em que atipicamente eu não estava atarraxada ao celular. Então não percebi quando ele tocou com a seguinte mensagem:

“Oi Debora. Hoje era para vir com roupa de festa.. a sua filha está um pouco triste, será que você tem como trazer uma para ela?”

EU, horrorizada, e para ninguém em específico: CARAMBA, A ROUPA DE FESTA!!!

Eram 9 e meia da manhã. Já fazia quase duas horas que a professora havia mandado.

Imagino minha pequena chateada por ser a única de uniforme em toda a escola. Onde eu estava com a cabeça MEU SANTO PAI DO CEU!!?

Sorte que eu estava perto de casa. Largo tudo e saio desajeitada correndo pela rua com a bolsa numa mão, o casaco na outra, a garrafa de água numa terceira mão que surgiu do nada.

Chego em casa e vou direto para o seu armário, pegar o vestido que ela mencionou ontem. Mas não me recordo direito qual foi… Ela tem três prediletos. Na dúvida, pego os três. Decido levar também uma saia florida e uma camisetinha de lantejoulas douradas que ela tem usado TODO FIM DE SEMANA no último mês.

Saio em disparada para o carro. A escola é perto mas resolvo usar o waze para conferir o melhor caminho.

Droga. Como sempre acontece nessas horas, é óbvio que meu celular não está comigo. Vasculho a bolsa, remexo os bolsos, olho embaixo do banco. Ficou em casa. Ou sei lá aonde. Faço uma prece mental para não tê-lo deixado cair no meio da rua em minha corrida maluca, e sigo para a escola. Lá vamos nós tentar salvar a manhã da menina.

No caminho sou completamente tomada pela culpa, essa inimiga minha de longa data, que vem acompanhada dos pensamentos mais destrutivos possíveis: primeiro, começo a me questionar se na Vara da Infância e Juventude uma falha deste porte pode ser considerada justa causa para uma possível retirada de guarda (sei que não, mas respeite a veia dramática dessa mãe que vos escreve. Obrigada)

Depois, imagino ela na classe sozinha, sentada ao canto, com o rosto vermelho e os olhos inchados. Um olhar vazio para o nada, refletindo sobre o seu infortúnio e sobre a grande injustiça que é a vida. Talvez, duas ou três amigas apontam para ela, tirando um malicioso sarro de sua situação, daquele jeitinho que só as crianças sabem fazer. Imagino os anos de terapia que estão por vir. A perturbação. Que tipo de pessoa ela vai se tornar? etc

Finalmente, estaciono na frente da escola. Aviso o segurança que será rapidinho.

EU: Prometo, só vou entregar isso aqui para minha filha.

Engraçado esse hábito que ele tem de chamar todo mundo de mãe. A gente é mãe mesmo.. só não é mãe dele.

ELE: Mas só pode subir se eu te anunciar.

EU: Por mim ótimo! Anuncia por favor? Eu espero.

Mas a sorte não sorri para nós, e o interfone não está funcionando bem neste dia.

ELE: Mãe, deixa que eu entrego lá em cima.

Explico pra ele a situação, e digo que preciso muito subir e me certificar pessoalmente de que ela vai sobreviver está bem.

Ele me olha complacente e tenta mais uma vez o interfone. Não consegue falar com ninguém, mas fica com dó de mim (ou se cansa de minha insistência) e me libera.

Lá em cima, vejo meninas de várias turmas, todas lindas e arrumadas em vestidos plissados, estampas florais, laços e tiaras de fita na cabeça, sapatilhas coloridas. Droga, esqueci o sapato! Paciência, vai ficar de tênis mesmo. Há mesas retangulares formando um grande círculo. Aparentemente eles estão organizando todas as classes para iniciar a comemoração.

De repente a vejo! Andando com sua turma em direção a última mesa vazia.

Ela é única de uniforme no meio de todo mundo, mas não está sozinha podada num canto, e sim, conversando animada com uma amiga.

Ela me vê, dá um sorriso, e vem correndo pra mim. Estou tão aliviada que por um instante fico sem reação.

Mas aí abro os braços e digo:

EU: FILHA, A GENTE ESQUECEU!!!!!

Ela me abraça. Entramos no banheiro e mostro as opções que eu trouxe. Sem hesitar, ela escolhe a saia florida com a blusa de lantejoulas. BINGO! Sabia.

Enquanto ela tira o uniforme, percebo que, no turbilhão das emoções, não me dei conta de que precisava fazer xixi. Olho para as micro privadas infantis que batem na altura do meu joelho e penso, já que estou aqui, né? A situação é um tanto precária. Mas beleza, tudo dá certo.

Enfim. Ajudo-a a se trocar. Feliz, ela me conta um pouco sobre sua manhã, e diz que a comemoração vai começar JUSTO agora.

EU: Mamãe sabe de tudo!! – Respondo, brincando, enquanto ajudo a fechar sua saia.

Mas ela não capta meu ar de deboche e me dirige um olhar admirado, cheio de respeito. Sorri satisfeita com minha resposta, repleta de auto confiança, proteção e expectativa de um futuro melhor.

Enquanto me dá um beijo de despedida e se junta às amigas, me pergunto quando será que ela vai descobrir que eu estava apenas brincando… e que na verdade, mamãe sabe de muito pouco.

Até lá, seguimos tentando.

__________________________________________________________________

PS: EM TEMPO, compartilho que, com muito alívio, acabei encontrando meu celular!! Não estava em casa, nem no carro, nem na bolsa, nem na rua.. Conseguir localizá-lo foi outra saga, mas vou deixar para relatar quem sabe num futuro post  =)

5

Pijama na escola

O drama da vez é que minha pequena recusa-se a trocar de roupa para ir à escola. Toda manhã para tirar o pijama é um escândalo, com direito à lagrimas, gritos, fugas pela casa, etc.

O que é totalmente compreensivo: tirar o pijama quentinho de manhã cedo para se trocar é um martírio, vamos falar sério? Eu, se pudesse, passava o dia todo de pijama também. E mais algumas horinhas na cama. Mas a vida real não permite isso, a vida real obriga a gente a madrugar, escovar os dentes, vestir algo decente e estar em lugares nos horários certos.

Então lá vamos nós para a batalha diária que é vesti-la antes de ir pra escola… A luta é real. Envolve todo um trabalho de argumentação e convencimento, muito diálogo e paciência . Um tempo que certamente não dispomos em nossas corridas e atarefadas manhãs.

Sei que tem cara de birra, mas o sofrimento dela parece genuíno. Ela chora, as lágrimas escorrem nas bochechas gorduchas enquanto ela implora pelo pijaminha. E bom, meu coração mole de mãe diz: qual o problema de uma menininha de dois anos usar o seu pijama feliz e contente, oras? Não é algo que ela vá poder fazer pra sempre na vida dela.

Eu, por mim, deixava ela passar o dia de pijama mesmo.

Mas… vida real, né?

Às vezes ela aceita trocar a calça do pijama, mas faz questão de manter a parte de cima. O que pra mim já é uma grande vitória!

Às vezes, muito raramente, ela topa ir fantasiada de princesa da Disney

Mas não é o ideal, porque lá ela brinca na areia, com tinta e esses vestidos de princesa não são nada práticos.

Outra técnica que eu uso é contar a história da linda menina que só gostava de usar pijama, então as roupas dela, coitadas, viviam tão tristes e solitárias esquecidas na gaveta. Pobres roupas. Queriam tanto ser usadas. Queriam ver a luz do sol, passear, conhecer o mundo… (momento mamãe dramática em ação)

Às vezes funciona. E ela, relutante, diz:

Espero não estar traumatizando a menina…

E, bom tem dias, quando o apego está mais intenso e já estamos atrasados, que eu mando ela de pijama mesmo, com uma roupinha extra na mochila.

Não é o cenário ideal, mas é o que temos para hoje.

Essa semana, a escola mandou um bilhetinho na agenda “Querida mamãe, favor tirar o pijama e vestir roupa para vir à escola. Obrigada!”

Se fosse meu primeiro filho, eu me sentiria completamente julgada, a mãe mais relapsa do planeta. Mas como se trata do terceiro ser humaninho que coloco no mundo, só consigo pensar em responder algo como: “Nossa, ela foi de pijama? Que loucura, eu não percebi!! Na verdade, eu estou mandando ela de pijama deliberadamente, porque acho que integra o ambiente escolar e o familiar. Assim, a escola se torna mais íntima para ela. Aliás, pijama não é a última moda em Paris?”

Mas escrevo apenas: “Queridas professoras, tentarei! É uma dolorosa luta diária. Obrigada, Mamãe”

Pensando em imprimir e anexar este post na agenda dela amanhã….

___________________________________________________________________

PS: Hoje ela foi com a parte de cima do pijama. Vamos que vamos. 

3

Bala na hora do jantar?

É engraçado quantas histórias e diálogos começam na cozinha… Você já reparou? A hora de comer deve ser mesmo inspiradora.

Eu estava no fogão preparando o jantar quando minha pequena de dois anos apareceu animadamente com uma bala na mão.

Uma bala. Na hora do jantar.

Naturalmente, ela pergunta:

Seus olhos azuis me encaram profundamente, com toda a doçura do mundo. (Sabe, tipo cachorrinho abandonado?) Há uma bala tipo 7 belo na sua mãozinha estendida. É tão pequena e graciosa que dá vontade de falar: “Sim, é lógico que abro. Para você eu faço tudo, meu amor. Aliás, se você quiser a gente pode desencanar do jantar e sair agora mesmo comprar mais balas!! Vamos? Coloca um sapato e faz xixi! Partiu.”

Mas é óbvio que não digo isso. O modo mãe responsável e madura assume o comando e sou firme (com um toque de drama porque, né, senão não sou eu):

EU – Ai minha filha, aonde foi que você achou esta bala???? Agora não é hora de bala, né? É hora de jantar. Guarda para depois da janta, ok? Por favor.

E dando continuidade a meu papel de mãe adulta sensata, volto o foco para o meu brócolis refogando na panela.

Insistente, a pequena decide tentar a sorte com a irmã de seis anos – que estava ao meu lado num longuíssimo e detalhado relato sobre uma briga que rolou entre duas amigas hoje na escola.

FILHA MAIS VELHA (interrompendo o monólogo de duas horas relato): A mamãe falou que não pode.

UAU!! Estou chocada com minha moral!!  “A mamãe falou que não pode!”  Me sinto o poder em pessoa. A soberania da casa. Estou sem palavras, eu sabia que este dia ia chegar!

No entanto, a pequena, não contente com mais um não, decide tentar mais uma vez. Agora com o seu irmão mais velho – que é absolutamente apaixonado por ela e faz quase tudo o que ela pede sem pestanejar.

Ela tem total ciência disso, e venho percebendo que cada vez mais ela aprende a usar esse trunfo a seu favor.

Ele está na sala ao lado ocupado com um quebra cabeças de mil peças da floresta amazônica, e escuto-o perguntando:

FILHO: Mas a mamãe deixa? Você tem que perguntar pra ela.

Quase choro de emoção em cima da comida. Olha só!! Minha autoridade à mil! E eu achando que ninguém nessa casa me obedecia.

Escuto ela respondendo:

FILHA PEQUENA: Vou perguntar para a mamãe, ‘peraí’.

Uma pausa.

Aguardo, mas ela não aparece na cozinha. E não me pergunta nada.

E então consigo ouvi-la dizendo descaradamente para o irmão:

Ouço o barulhinho do papel sendo aberto. E ela consegue sua bala.

Determinação, a gente vê por aqui.

Autoridade, médio…