0

Semana Detox… de telas

Depois de quatro meses de quarentena – é sério isso, quatro meses?? Obrigada China, obrigada morcegos. Obrigada políticos. Obrigada a sei lá quem mais dá para culpar. Obrigada. – decidimos fazer uma semana detox aqui em casa.

“Mas detox? Vocês estão comendo light?”

Não, nada a ver com comida ou dietas radicais abomináveis (conforme vocês puderam ver no post anterior, não estou conseguindo focar nisso no momento). É um detox de telas.

Significa que as crianças ficariam uma semana INTEIRA sem ver televisão ou brincar em tablets, videogames e celulares.

Não que eles fiquem MUITOO. Eles só tem ficado… muito. O consumo de eletrônicos aumentou significativamente durante a pandemia. Antes, éramos super regrados. Eles só podiam usar eletrônicos de sexta feira E de domingo. Não havia discussão.

Agora eu acabo deixando um pouco todos os dias. Porque sou um ser humano exausto.

E como eles estavam se tornando cada vez mais viciados – infelizmente as telas fazem isso com as pessoas… quanto tempo por dia você passa no celular? Já olhou? É assustador – decidimos fazer um detox de telas.

Isto é, uma semana inteirinha sem acesso à telas.

Enfim. Segue um relato de como foi a experiência aqui em casa:

Dia 1:

Muito choro e reclamação. Nos tornamos os piores pais do mundo. Injustos e sem coração.

Eles iam esquecer tudo o que estava acontecendo nos desenhos que estavam acompanhando. E por nossa causa TODOS os moradores do The Sims iriam morrer.

As crianças não sabiam o que fazer com si mesmas. Só sentiam a raiva crescente no peito e buscavam nos punir por fazer uma atrocidade daquelas com eles.

Confesso que quase desisti do plano.

Dia 2:

Insistiram de novo. Tentaram barganhar.

Como vocês podem ver, estava fácil a vida.

Novamente fomos chamados de pais injustos.

Escondo o controle da televisão e os tablets no armário do meu quarto, afinal, como dizia o ditado?

Ah. O que os olhos não veem o coração não sente.

Dia 3:

Começam a lembrar de brinquedos que estavam escondidos nos cantos dos armários e que eles não brincavam faz tempo.

Jogos como Cara a Cara, Lince e Twister são desenterrados e voltam a conhecer a luz do dia.

Passaram MAIS DE UMA HORA entretidos numa brincadeira onde eram policiais investigando um crime (não souberam me explicar qual era o crime, mas me garantiram de que a investigação estava indo bem)

Nem mencionaram as telas.

Dia 4: 

Consigo identificar um novo tipo de companheirismo entre eles. Parecem mais gentis e amigáveis. Brigam menos. A casa parece mais calma e civilizada.

Tento me lembrar da pesquisa que li a respeito do assunto. As telas deixam as crianças mais agressivas? Menos criativas? Passivas e vegetantes olhando para o nada. Era isso mesmo?

No fundo eu sei que sim. Mas secretamente espero que não.

Dia 5:

É quase como se as telas nunca tivessem existido. Continuam na brincadeira de investigação (curtiram a ideia de policial)

Fizemos o brownie e eles nem brigaram para lamber a forma. As meninas brincam de casinha, médica e cientistas.

O único que ainda sofre  de abstinência é meu filho de dez anos, que precisa desesperadamente ouvir suas músicas (Legião Urbana, Raul Seixas e Engenheiros do Havaí. Não me pergunte como, desconfio de que estou criando um adolescente revoltado dos anos 90.) Ele também quer continuar mantendo a família e a linda moradia que construiu no The Sims.

Dia 6:

Minha filha de três anos encontra o tablet escondido e todas as memórias voltam, uma a uma. Imagino que ela tenha lembrado de si mesma de banho tomado e pijama assistindo a Masha e o Urso depois de um dia cheio. Ela chora.

Pede pelo desenho.

Quero dar – porque sou dessas. Quero dizer:  “parabéns, meu amor, você aguentou muito bem, pode assistir um pouco de netflix.”

Mas o marido segura as pontas. Diz que não.

Vamos nos distrair um pouco.

Levo-a dar uma volta de carro e comprar um picolé. Vemos carros, cachorros e gente. É uma distração excelente.

Voltamos para casa mais calmas.

Mas durante vários períodos do dia lembra do tablet e pede por ele. De vez em quando até chora.

Dia 7:

Cansei.

Estou exausta. Preciso retornar uma ligação, responder vários emails e terminar o meu trabalho.

Libero um pouco de filme depois do banho.

Conclusão:

Crianças vivem mais do que bem sem telas.

A pessoa que mais sofreu com a semana sem telas, fui eu.

1

Querido plano de ser fitness,

Como vai você?

Por aqui tudo ótimo. Indo, vivendo, e postergando a sua chegada a cada dia como sempre. Ainda mais agora na quarentena.

Não me leve a mal, te admiro pacas, sei que você faz maravilhas com as pessoas. Deixa elas mais felizes, satisfeitas, saudáveis. Aumenta o amor próprio, a endorfina, a adrenalina.

Mas olha, sinceramente, é muito difícil colocar você em prática.

Por que? Porque tem horas que só um doce salva. No meu caso especificamente, um chocolate. É inegável que me deixa mais calma, mais alegre, mais paciente. O mundo se torna um lugar melhor e eu, uma mãe melhor.

Mas, em respeito a você, Plano Fitness, desde que fiz trinta anos e percebi que não dá pra ser irresponsável pra sempre – porque açúcar faz mal, aumenta o colesterol, diabetes, tira nossa energia, etc – eu vinha tentando deixar para comer doce só quando a situação estivesse mais caótica, sabe? Quando fosse imprescindível MESMO. De repente numa TPM forte, ou naqueles dias em que as crianças estão atacadas.

Mas preciso confessar que estou com a impressão de que, na vida adulta, o doce é imprescindível TODO SANTO DIA. Porque doce é tipo colo de mãe. E me diga, honestamente, quem não precisa de um aconchegante colinho maternal no fim do dia??

Veja bem:

Dia puxado no trabalho? Brigou com namorado/marido? Chocolate.

Crianças estão discutindo há horas e você já não sabe mais o que fazer? Que tal um pedaço de pavê?

O mundo entrou em colapso e está se despedaçando por causa de uma pandemia que parece se agravar a cada dia e nem a ONU sabe mais o que fazer?

CHOCOLATE, CHOCOLATE, CHOCOLATE.

Juro que vai ajudar.

E nem me venha com a história: “Ah, você pode substituir o chocolate ao leite clássico por linhaça pelo meio amargo”

Sejamos honestos: Isso dá certo para alguém? É que nem dizer que você pode substituir um lindo dia de sol na praia, com agua cristalina e cel azulzinho, por um dia frio com trovoadas na praia. Praia é sempre legal, claro. Mas, dependendo do clima, são duas experiências completamente diferentes.

Entende o que quero dizer? Sem condições. O chocolate amargo ajuda? Quebra um galho. Mas não me diga que um chocolate 80% cacau é a mesma coisa que uma panela morninha de brigadeiro.

Aliás, durante  a quarentena, poucas coisas são mais aconchegantes e terapêuticas do que comer algo bem quentinho, recém saído do forno.

Porque o que a gente faz o dia todo em casa, além de tentar manter algum resquício de rotina e gritar com as crianças para tentar manter a paz no lar (sei que parece contraditório, você ter de gritar para conseguir a paz. De certa forma é, mas quem está pensando em ser coerente num momento como esses né?).

Enfim, segue algumas ideias de coisas que a gente pode fazer e, com certeza, resultará num lar mais feliz e harmonioso:

Biscoitinhos amanteigados (com canela, se preferir)

Brigadeiros enroladinhos com confetes coloridos.

Bolo de cenoura com calda de chocolate.

E quando as crianças estão naquela brigalhada sem fim, que sempre acontece em algum momento da semana  – afinal, compreensível, sem amigos, sem escola, na companhia do outro o dia inteiro – e você já tá com vontade de chorar, qual é o melhor caminho?

Comer bis (ou similares) na cama, todo mundo junto. Intercalando um preto e um branco, e jogar conversa fora.

Então, plano fitness, como eu disse. Te admiro pacas. Mas vai ficar para a próxima.

Quem sabe depois da pandemia eu não me animo?

____________________________________________________________

*** estão me chamando de velha por utilizar o termo PACAS. Pode isso, produção?

1

Maquiagem pra que te quero?

Estou sentada no computador terminando um texto, quando minha filha de três anos aparece e diz que quer me maquiar.

Olha, não é por mal, mas ser maquiada por ela não é das minhas atividades favoritas, sabe? Prefiro brincar de massinha, de lego, de uno… de stop, de desenho… De qualquer coisa. Mas ela simplesmente ama e está decidida.

Então vamos lá né? Tantos dias confinados de quarentena, não dá pra se esquivar da maquiagem pra sempre.

Tento convencê-la a maquiar a si mesma. Sento com ela, pego o celular e mostro uns videos de pessoas se maquiando.

EU: Viu filha? Você pode se maquiar, em vez de maquiar a mamãe, você vai ficar linda!

Ao que ela me responde:

Que bom!!

E claramente eu não sou né? Isso que ela quis dizer. Mas tudo bem.

Pelo menos em matéria de auto estima estamos indo indiscutivelmente bem!

Ela sai correndo em direção ao banheiro, e pelo som sei que ela está abrindo a maquiagenzinha dela (que deve ter uns dois anos, tá velha e provavelmente não faz nada bem para minha pele, que ora decide ter 15 anos e enche de espinha, ora decide que já deu dessa vida e resseca um monte mas vamos ignorar o fato né?) e organizando tudo na pia.

Eu sigo no computador trabalhando, rezando para ela se distrair com alguma coisa no caminho, afinal, crianças de três anos são muito dispersas sabe? Você manda ir fazer xixi ela faz tudo, menos xixi. Você manda pôr sapato pra sair, ela esquece o que foi fazer e volta com um trenzinho de lego.

Mas nesse dia, é óbvio que ela não se distrai. Na verdade está super empolgada.

ELA: Mãe, tudo pronto! Vem!

Então eu vou, né. E a maquiagem rola solta.

E então, depois de ela passar batom pela minha testa, enfiar sombra na minha orelha e pintar meu cabelo com lápis de olho, eu fico mais ou menos assim:

Viva a quarentena!

2

STOP!

Estávamos sentados jogando STOP, eu e meu filho de dez anos.

Ultimamente, ele tem reclamado que as categorias comuns de STOP são muito sem graça. Sabe, os de sempre? Nome, Comida, CEP, Minha Tia É, etc?? (Aaaah, essa geração alpham acelerada e impaciente)

Então, para dar aquela revigorada na coisa, a cada jogo ele decide criar novas categorias.

Nesse dia, eram elas:

Não são categorias muuuuito diferentes das comuns, mas especificam um pouco mais a coisa. Não basta um objeto com N. Tem que ter mais de 100 kg. Não basta uma comida com N, tem que ser vermelha. E assim por diante.

Enfim. Eu havia acabado de escrever Napoleão Bonaparte e Nápoles (não gosto de preencher as coisas na ordem) e fiquei esperando ele terminar de escrever os dele. Sabe, acho que eu aos 31 anos coleciono um pouco mais de conhecimento e experiência de vida do que meu filho de dez – apesar de sua memória e capacidade de armazenar informações serem infinitamente melhores que a minha.

Em todo caso, considero uma diferença meio injusta disputar no STOP com um menino duas décadas menor do que eu. Por isso, mesmo que eu termine de preencher todas as categorias primeiro, sempre dou um tempinho pra ele acabar.

E nesse dia, enquanto eu esperava, fui me perdendo em meus devaneios (sim, dá uns bons minutos de espera, suficientes para se perder em devaneios distantes) e de repente comecei a lembrar daquelas piadinhas de cúmulos que eu costumava contar quando era criança.

Vocês lembram dessas piadas?

Decidi que talvez seria legal compartilhar com ele essas minhas lembranças.

EU: Filho, antes da gente comparar as respostas, eu quero muito te contar uma coisa da minha época.

(Vó total né?)

ELE: (adolescente entediado revirando os olhos): Fala, mãe.

Aí eu perguntei:

EU: Filho, você conhece as piadas de cúmulos??

ELE: Tem várias.. De qual vc tá falando?

Tento me lembrar da mais famosa da minha época:

EU: TIPO… Qual é o cúmulo da rapidez? Comer o guardanapo e limpar a boca com o peixe.

Lembro de como eu me achava o máximo quando contava essa piada.

Mas meu filho só me olhou muito sério e disse:

Oras, eu era tão avoada de pequena que nem sabia o que a palavra distração significava.

Mas não desisti:

EU: O cúmulo da distração não é trancar a gaveta com a chave dentro?

ELE: Não mãe, esse é o cúmulo da velocidade…

Minha Débora de dez anos interior já estava furiosa com a audácia daquele menininho dizendo que meus cúmulos todos estavam errados.

EU (enfezada): Não é, não! O da velocidade é apostar corrida contra si mesmo e chegar em segundo lugar.

Não contente, ele me lançou um olhar que era em parte desafiador e em parte divertido, e respondeu:

ELE: Mãe, este é o da lerdeza.

EU, vencida na vida: Tá, desencana dos cúmulos. Vamos de stop.

 

Comparamos nossas respostas.

Tiramos 75. Ambos colocamos Napoleão Bonaparte.

 

Resumo da ópera: Nada do que foi será de novo do jeito que já foi um dia… Nem as brincadeiras, nem as piadas. E provavelmente nem as músicas. RIP anos 90.

1

CoronaPane

Sempre tive este blog como um lugar para falar sobre a maternidade de um jeito honesto, leve, otimista (olá mamães em puerpério!! Juro que passa!). É um lugar que recorro quando quero escrever livremente, comentar causos da vida de mãe, etc.

Mas hoje… eu sentei aqui no computador e, olha, honestamente, só consigo pensar em: corona vírus, corona vírus, corona vírus, pandemia, surto apocalíptico, loucura, economia mundial, escolas fechadas, pane.

Porque… bom, está complicada essa situação apocalíptica, sem prazo para acabar.

Eu não sei como você aí do outro lado da tela está se sentindo, mas eu, do lado de cá, estou mais perdida que agulha no palheiro. Sem muita perspectiva sobre o futuro, andando de um lado para o outro feito barata tonta, comendo a casa inteira enquanto tento manter um nível mínimo de normalidade na rotina das crianças, do trabalho e da casa, e, é claro, a sanidade mental de todos.

Está fácil, Brasil. Aliás, mundo.

O que falar para as crianças nesse momento, quando nem a gente que é adulto entende direito o que está acontecendo e tudo muda a cada segundo?

Explicar sobre o bichinho que se espalha, sobre a importância de lavar bem as mãos, usar o álcool 70% e não tocar/respirar/abraçar/beijar/morder o amiguinho, já era. Tudo isso é coisa de 10 dias atrás. Agora, nem amiguinho tem mais.

Agora o buraco é beeem mais embaixo…

Dependendo da idade, não tem muito o que falar. Por exemplo, minha filha de três anos segue feliz e saltitante, completamente alheia aos últimos acontecimentos do mundo. O maior problema da vida dela é vestir a meia da patrulha canina depois do banho e tomar suco no copo da Minnie com canudo rosa.

Mas os grandes… já se inteiraram de que há algo mais errado do que uma simples gripe. Depois de dois dias detidos em casa, sem aulas, nem poder ver os amigos, minha filha de 7 anos escreveu um conto chamado “Coronavirus” (onde há uma epidemia mas tudo acaba bem quando a protagonista (Bia, se chama) acorda e descobre que tudo não passou de um sonho – já pensou??).

Meu filho de 10 tem pesquisado exaustivamente sobre as maiores pandemias que já assolaram a humanidade.

Estou amando, é super animador:

Aguenta coração.

Eles me perguntam sobre a crise. Me perguntam quando a escola vai abrir de novo. Quando eles vão poder sair para passear.

Se é verdade que a comida do mundo vai acabar. Por quê cancelaram a festinha do David.

Hoje, minha filha veio me perguntar se o bisavô vai ficar bem.

Suspirei fundo e disse que sim, para eles não se preocuparem que vai ficar tudo bem.

Porém, eles são insistentes.

Eu tive vontade de falar, EU NÃO SEI. EU QUERIA MUITO SABER! EU QUERIA DIZER QUE É TUDO UMA PEGADINHA DO FAUSTÃO (o que seria estúpido porque eles não fazem ideia de quem é Faustão)

Mas enfim, não posso responder isso né? Então eu só suspirei e disse, sem pensar muito:

EU: Vai ficar tudo bem tá? Porque a mamãe está aqui.

Veja bem: a mamãe, no caso, sou eu. EU. A mamãe – que “tem tudo sob controle”. A mamãe – que “está lá quando precisa”. Essa mãe aí – a “super poderosa” -, sou eu. EU???

Me senti uma farsa, sério. Mas sabe o quê?

Eles não perceberam. Muito pelo contrário. Para eles foi mais do que suficiente.

Assentiram tranquilamente e seguiram para suas atividades, como se tudo aquilo de repente fizesse sentido. Simplesmente porque a mamãe está aqui.

Às vezes a gente exige tanto da gente, né?

Que essa pandemia acabe logo. Que as pessoas sejam compreensivas e tolerantes umas com as outras. Que os memes continuem chegando (por favor não parem!! Bom humor é o melhor remédio. Precisamos dele neste momento.)

Quem possamos compartilhar amor e bons momentos online.

E que possamos ser fortes e serenas como nossos filhos acham que somos.

#fiqueemcasa

3

O dia que era para ir de roupa de festa

Sexta feira passada minha filha de 7 anos tinha de ir de roupa de festa na escola. Seria uma comemoração entre todas as classes, e ela estava empolgadíssima para este momento. Na noite anterior falamos durante o jantar inteiro sobre assunto, pensando nas possibilidades do que vestir.

O problema foi que no dia seguinte acordamos e, na correria, acabamos esquecendo de vestir a roupa de festa. Eu não lembrei. Ela não lembrou. Ninguém na casa lembrou. Então vestimos o bom e velho uniforme de todo dia, fizemos um rabo de cavalo com elástico da bandana, e lá foi ela.

Sem vestido. Sem sapato. Sem tiara.

E eu segui para o meu dia. Foi uma manhã em que atipicamente eu não estava atarraxada ao celular. Então não percebi quando ele tocou com a seguinte mensagem:

“Oi Debora. Hoje era para vir com roupa de festa.. a sua filha está um pouco triste, será que você tem como trazer uma para ela?”

EU, horrorizada, e para ninguém em específico: CARAMBA, A ROUPA DE FESTA!!!

Eram 9 e meia da manhã. Já fazia quase duas horas que a professora havia mandado.

Imagino minha pequena chateada por ser a única de uniforme em toda a escola. Onde eu estava com a cabeça MEU SANTO PAI DO CEU!!?

Sorte que eu estava perto de casa. Largo tudo e saio desajeitada correndo pela rua com a bolsa numa mão, o casaco na outra, a garrafa de água numa terceira mão que surgiu do nada.

Chego em casa e vou direto para o seu armário, pegar o vestido que ela mencionou ontem. Mas não me recordo direito qual foi… Ela tem três prediletos. Na dúvida, pego os três. Decido levar também uma saia florida e uma camisetinha de lantejoulas douradas que ela tem usado TODO FIM DE SEMANA no último mês.

Saio em disparada para o carro. A escola é perto mas resolvo usar o waze para conferir o melhor caminho.

Droga. Como sempre acontece nessas horas, é óbvio que meu celular não está comigo. Vasculho a bolsa, remexo os bolsos, olho embaixo do banco. Ficou em casa. Ou sei lá aonde. Faço uma prece mental para não tê-lo deixado cair no meio da rua em minha corrida maluca, e sigo para a escola. Lá vamos nós tentar salvar a manhã da menina.

No caminho sou completamente tomada pela culpa, essa inimiga minha de longa data, que vem acompanhada dos pensamentos mais destrutivos possíveis: primeiro, começo a me questionar se na Vara da Infância e Juventude uma falha deste porte pode ser considerada justa causa para uma possível retirada de guarda (sei que não, mas respeite a veia dramática dessa mãe que vos escreve. Obrigada)

Depois, imagino ela na classe sozinha, sentada ao canto, com o rosto vermelho e os olhos inchados. Um olhar vazio para o nada, refletindo sobre o seu infortúnio e sobre a grande injustiça que é a vida. Talvez, duas ou três amigas apontam para ela, tirando um malicioso sarro de sua situação, daquele jeitinho que só as crianças sabem fazer. Imagino os anos de terapia que estão por vir. A perturbação. Que tipo de pessoa ela vai se tornar? etc

Finalmente, estaciono na frente da escola. Aviso o segurança que será rapidinho.

EU: Prometo, só vou entregar isso aqui para minha filha.

Engraçado esse hábito que ele tem de chamar todo mundo de mãe. A gente é mãe mesmo.. só não é mãe dele.

ELE: Mas só pode subir se eu te anunciar.

EU: Por mim ótimo! Anuncia por favor? Eu espero.

Mas a sorte não sorri para nós, e o interfone não está funcionando bem neste dia.

ELE: Mãe, deixa que eu entrego lá em cima.

Explico pra ele a situação, e digo que preciso muito subir e me certificar pessoalmente de que ela vai sobreviver está bem.

Ele me olha complacente e tenta mais uma vez o interfone. Não consegue falar com ninguém, mas fica com dó de mim (ou se cansa de minha insistência) e me libera.

Lá em cima, vejo meninas de várias turmas, todas lindas e arrumadas em vestidos plissados, estampas florais, laços e tiaras de fita na cabeça, sapatilhas coloridas. Droga, esqueci o sapato! Paciência, vai ficar de tênis mesmo. Há mesas retangulares formando um grande círculo. Aparentemente eles estão organizando todas as classes para iniciar a comemoração.

De repente a vejo! Andando com sua turma em direção a última mesa vazia.

Ela é única de uniforme no meio de todo mundo, mas não está sozinha podada num canto, e sim, conversando animada com uma amiga.

Ela me vê, dá um sorriso, e vem correndo pra mim. Estou tão aliviada que por um instante fico sem reação.

Mas aí abro os braços e digo:

EU: FILHA, A GENTE ESQUECEU!!!!!

Ela me abraça. Entramos no banheiro e mostro as opções que eu trouxe. Sem hesitar, ela escolhe a saia florida com a blusa de lantejoulas. BINGO! Sabia.

Enquanto ela tira o uniforme, percebo que, no turbilhão das emoções, não me dei conta de que precisava fazer xixi. Olho para as micro privadas infantis que batem na altura do meu joelho e penso, já que estou aqui, né? A situação é um tanto precária. Mas beleza, tudo dá certo.

Enfim. Ajudo-a a se trocar. Feliz, ela me conta um pouco sobre sua manhã, e diz que a comemoração vai começar JUSTO agora.

EU: Mamãe sabe de tudo!! – Respondo, brincando, enquanto ajudo a fechar sua saia.

Mas ela não capta meu ar de deboche e me dirige um olhar admirado, cheio de respeito. Sorri satisfeita com minha resposta, repleta de auto confiança, proteção e expectativa de um futuro melhor.

Enquanto me dá um beijo de despedida e se junta às amigas, me pergunto quando será que ela vai descobrir que eu estava apenas brincando… e que na verdade, mamãe sabe de muito pouco.

Até lá, seguimos tentando.

__________________________________________________________________

PS: EM TEMPO, compartilho que, com muito alívio, acabei encontrando meu celular!! Não estava em casa, nem no carro, nem na bolsa, nem na rua.. Conseguir localizá-lo foi outra saga, mas vou deixar para relatar quem sabe num futuro post  =)

5

Quando a polícia me parou

Essa é uma daquelas histórias em que eu peço para você, caro leitor, se despir de todo e qualquer julgamento. Eu sei que é normal julgar os outros, que fazemos isso o tempo todo, etc, mas hoje preciso de um pouco de amor de você.

Pronto? Parou de julgar? Então vamos lá.

Era uma tarde quente, e eu levei as meninas para tomar um sorvete.

Saindo da lá (com alguns chocolatinhos a mais do que o previsto), acomodei as duas no banco de trás, sentei no meu lugar, tranquei o carro, liguei e quando comecei a dar marcha ré, o alarme do carro disparou.

Sabe aquele alarme insuportável e alto que atrapalha todo mundo? E que a gente xinga quando escuta tocando por mais do que 10 segundos? Então. Esse.

O que essa mãe inteligente que vos escreve fez então?

a) Parou, desceu e tentou resolver o problema.

b) Como estava muito próxima de casa, pensou “bom, deixa eu chegar em casa que a gente resolve isso”

Se você escolheu a primeira opção, devo dizer que você superestima muito a minha maturidade.

E se você optou por B, você acertou.

Não desci para resolver o problema. Estava todo mundo me olhando. Que vergonha. Eu queria ir embora, e como eu estava muito próxima de casa, pensei “bom, deixa chegar em casa que a gente resolve isso”

E então segui dirigindo, com o alarme disparado até em casa.

As meninas brincando no banco de trás, totalmente alheias à situação. Parei no semáforo e tentei desligar o carro, ligar de novo. Destrancar e trancar. Tentei apertar o botãozinho da chave. Enfim, tentei o que dava para tentar naquele momento. Estava distraída nas minhas vãs tentativas de fazer o alarme parar, quando percebo pelo retrovisor que há pessoas se aproximando do meu carro.

Agachadas. Uniformizadas.

E com armas em punhos.

Tipo cena de filme, quando os agentes se aproximam de uma porta ou de um corredor abaixados tentando se proteger porque não sabem se serão surpreendidos pelos ladrões, sabe?

Imagina a cena.

Antes de entrar em pânico, noto que são policiais. Seis deles. SEIS. Dois vem pelo lado direito do meu carro, quatro pelo esquerdo. Uma viatura policial está estacionada bem atrás de mim, com as luzes piscando. Gente, da onde surgiu isso???

Se o carro está com a sirene ligada ou não, não sei dizer, pois minha audição está toda tomada pelo impiedoso alarme do meu próprio carro. Um policial de cabelo castanho que parece o líder do grupo enfia a arma no meu vidro (que é escuro) e faz sinal para eu abrir.

Estou meio em choque, sem entender. Mas bom, quando um policial armado com cara de mau te manda abrir o vidro você faz o que? Abre, é claro.*

Eis que ele grita para os colegas:

TEM CRIANÇAS!!

Como se ele tivesse acabado de dizer alguma palavra mágica, todo mundo baixa as armas e as esconde.

E então ele olha para para mim e diz, agora mais gentilmente:

Atordoada, encosto ali. Entendo o que está rolando: ele acha que eu roubei o carro e fugi com o alarme tocando. Oras, mas isso faria de mim uma fora da lei muito burra mesmo, né?

Começo a me desculpar, me sentindo envergonhada e totalmente culpada, com a certeza de que provavelmente há algum crime ocorrendo neste EXATO MINUTO em algum lugar nas redondezas e todos esses SEIS policiais não estão ajudando quem precisa de verdade porque foram distraídos por uma motorista sem noção, ou seja, eu.

Minhas filhas olham curiosas para o grupinho fardado que se juntou do lado do carro.

Desligo o carro. Mas o barulho continua.

BIII-BIII-BIIII

EU: Moço, mil desculpas. O carro começou a apitar e como eu estava muito perto de casa decidi voltar correndo, pra ver se resolvo isso lá.

O policial me olha como se eu tivesse algum problema mental. Mas suspira, dá um sorriso e pergunta:

ELE: O carro é seu? Você tem os documentos certinho?

Digo que sim.

BIII-BIII-BIIII

E aí sou tomada por uma ideia. Tiro a chave do contato – que, para ajudar no mico, é enfeitada por um penduricalho colorido de lego, golfinho e coração – dou na mão dele e peço:

EU: Será que você pode virar a chave aí na porta pra mim? Agora me ocorreu, talvez isso resolva.

Com firme delicadeza ele encaixa a chave no buraco, vira e magicamente, para meu alívio total, o insuportável barulho cessa.

O policial sorri.

O grupo de policiais comemora o silêncio com sorrisos compreensivos e palavras encorajadoras.

Peço desculpas novamente. Eles dizem que tudo bem, acontece, mas que um carro com alarme disparado andando pelas ruas de SP é um tanto suspeito, então para tomar cuidado da próxima vez.

Quero enfiar minha cabeça na terra e sumir. Agradeço de novo, peço desculpas de novo. E dirijo as duas quadras que faltavam até chegar em casa tentando não causar mais.

Fico feliz em constatar que chegamos sãs e salvas, sem novos dramas pelo caminho.
__________________________________

* Estou ciente de que poderiam ser ladrões disfarçados de policiais. Mas estava muito real e exagerado para ser mentira… e eu sabia que eu estava fazendo algo de errado. Enfim. Que bom que não eram.

0

A Vacina da Febre Amarela

Se você mora no Brasil, deve lembrar-se daquele surto da vacina da febre amarela, no ano passado. Lembra?? Todo mundo aflito atrás de uma dose para chamar de sua, os jornais noticiando as filas quilométricas e o desespero.

Fiquei com dó das crianças, que acabaram entrando nessa onda (porque eles são esponjas, escutam os pais comentando, ouvem no rádio, tv, etc, e quando a gente vai ver eles estão fazendo mil perguntas pertinentes e sabendo de tudo), mesmo sendo muito mais informação do que a cabecinha deles é capaz de processar.

Tadinhos. A imaginação não tem fim.

Sempre tem aquela parcela da população que é super precavida e responsável, que consegue perceber quando haverá uma crise ou um surto de vacinas e se antecipam. (Quem são essas pessoas? Aonde vivem? Do que se alimentam?).

Elas dizem coisas como:

Eu, óbvio, não faço parte deste seleto grupo de seres humanos. Não. Por motivos que fogem da minha compreensão, eu acabo procrastinando e sempre deixo para última hora. E quando dou por mim já não há mais a tal da vacina.

Lembro de ter tentado de todas a maneiras: acordar as crianças cedo e chegar horas antes de abrir o posto. Em vão. A fila virava o quarteirão, subia a avenida e já não havia mais senhas. Não contente, liguei em todos os particulares que conhecia e a resposta era sempre a mesma: acabou e estamos sem previsão de chegada. Talvez em março.

E as filas eram tão grandes, mas tão grandes, que se tornaram referência na cabeça do meu filho. Até hoje, quando vemos pessoas enfileiradas num restaurante, no ponto de ônibus, na casa lotérica, etc, ele comenta:

Acabei conseguindo (em março) a bendita vacina.

Todos tomaram, mas até hoje falam no assunto. Me pergunto quando irão esquecer…

1

Rainha Vitória

FILHO: Pai?

PAI: Fala filho

FILHO: Por que nosso prédio se chama Rainha Victoria?

PAI: Ah filho, porque ela foi uma rainha da Inglaterra.

FILHO: Mas a rainha da Inglaterra não se chama Elizabeth?

PAI: Sim.

PAI: Porque há muito tempo atrás, antes da Rainha Elizabeth, houve uma rainha chamada Victoria.

FILHO: Ah, então ela era rainha da Inglaterra na época que o prédio foi construído?

PAI: Não filho, quando o prédio foi construído já era Rainha Elizabeth.

FILHO: Então por que deram esse nome pro prédio?

PAI: Por que acharam um nome bonito.

Ele pausa e fica pensativo. Ufa. Acho que se contentou com a resposta.

Mas não…

Luiz é o porteiro que trabalha aqui há uns 20 anos.

PAI: Não, o Luiz não estava aqui quando o prédio foi construído.

FILHO: Então quem foi que escolheu esse nome?

PAI: Não sei, talvez o arquiteto do prédio.

Silêncio. Ele pensa e processa as informações.

FILHO: Mas o arquiteto não é o dono do prédio..

PAI: Tem razão.. então talvez o incorporador.

FILHO: E o que é incorporador?

*suspiro*

E por aí a conversa continuou fluindo por mais um bom tempo.

Fim.

Socorro.

 

3

As coisas bonitas que Ele faz

O que é D’us para você?

Alguém que você procura nos momentos difíceis? Um ser supremo que tudo pode? O criador do universo, do céu e da terra e de todos os seres? Seria o acaso, a natureza, as porções de felicidades, os pequenos milagres diários da vida? Seria – e essa dedico aos mais polêmicos – uma invenção do homem? Ou um velhinho de barba branca que mora no céu e recebe e-mails com cada pedido que a gente faz?

Bom, para a minha filha de 4 anos, D’us é uma linda princesa de vestido que arrasta no chão e que mora num castelo rosa-brilhante-de-flores.

Bem gráfico assim mesmo. E ela adora falar de D’us assim, do nada.

E num belo domingo, desses que a gente fica em casa sem fazer nada, meu marido perguntou pra ela ao notá-la concentrada olhando pela janela através do horizonte:

PAPAI: Filha o que você está olhando aí?

Profundo o negócio hoje né?

PAPAI: E o que você tá pensando sobre D’us?

FILHA: Estou pensando nas coisas bonitas que ela faz (ela = D’us)

PAPAI: Sério? Que legal filha… tipo que coisas?

E ela suspira, com ar de sabedoria, e responde:

FILHA: Ah, tipo o meu irmão.

Ah claro, tipo o irmão com quem ela por acaso acabou de se matar por um bichinho de pelúcia.

Sem mais.

______________________________________________

Conclusões dessa história:

1- Não tente entender as brigas do seus filhos. Se ninguém estiver se machucando, DESENCANA e vai cuidar da sua vida. Demorei pra aprender essa lição, mas assumo que minha vida mudou MUITO depois de começar a agir assim.

2- Minha filha de 4 anos pensa nas “coisas bonitas que D’us fez”… (Não sei se isso é bem uma conclusão, mas o fato ainda me espanta um pouco… tipo…  o quanto VOCÊ pensa em D’us? E nas coisas bonitas que Ele fez?)